Cerca de 30 mil pessoas concentraram-se este domingo em Barcelona, em defesa do referendo sobre a independência da Catalunha, que foi marcado para 1 de outubro. A iniciativa, que se realizou nas fontes do parque Montjuïc, foi promovida pelas autoridades regionais com a presença do Presidente da comunidade autónoma, Carles Puigdemont e do treinador de futebol, Pep Guardiola, a quem coube ler o manifesto em defesa do referendo.

Guardiola foi durante anos treinador do Barcelona — agora orienta o Manchester City — leu o manifesto em três línguas: espanhol, inglês e catalão.

“A única resposta possível é votar. Estamos aqui para deixar claro que no dia 1 de outubro votaremos no referendo para decidir o nosso futuro, ainda que o Estado espanhol não o queira.”

Num discurso aplaudido, o antigo jogador de futebol treinador que é originário da Catalunha também pediu o apoio da comunidade internacional para a causa catalã, apelando a todos “os democratas da Europa e do mundo para enfrentar aos abusos de um estado autoritário”. O Governo espanhol considera que o referendo pela independência vai contra a constituição do país.

Em mensagem no Twitter, Gardiola não podia ser mais claro: “Só joguei pela Espanha em competições internacionais porque a equipa catalã não podia joga nessas competições”.