O primeiro-ministro recusou-se hoje, em São Paulo, no Brasil, a responder às acusações do presidente do PSD, que falou em “pouca-vergonha” a propósito da nomeação do advogado Diogo Lacerda Machado para a administração da TAP.

No sábado, Pedro Passos Coelho considerou “uma pouca-vergonha” a decisão do Governo nomear para administrador da TAP “o mesmo homem que andou a negociar a reversão” da privatização da transportadora aérea nacional.

“Isto é uma pouca-vergonha, não tem outra classificação. E fica tão mal a quem nomeia como a quem aceita”, afirmou Passos Coelho, ao discursar durante a convenção autárquica do PSD de Viseu.

Confrontado com estas acusações do líder social-democrata, visando Diogo Lacerda Machado, António Costa alegou que “as polémicas de Portugal ficam em Portugal”.

“Estamos no Brasil, onde felizmente não há polémicas e há uma grande satisfação na festa com a nossa comunidade portuguesa”, disse, numa alusão às comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades em São Paulo e no Rio de Janeiro.