Ministério Público

Ministério Público acusa 19 arguidos de fraude de 39 milhões no negócio do tabaco

Na operação, agora concluída pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, as autoridades apreenderam 96 mil cigarros, mais de 611 mil euros, três armas ilegais, entre outros.

No decurso da investigação destaca-se a apreensão, no total, de 230 toneladas de folha de tabaco

PAULO NOVAIS/LUSA

O Ministério Público (MP) acusou 19 arguidos, oito deles sociedades, de introdução fraudulenta no consumo, fraude fiscal e falsificação de documento, crimes cometidos no negócio do tabaco que lesaram o Estado em mais de 39 milhões de euros.

Segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso esta segunda-feira, os arguidos, entre 2014 e 2016, dedicaram-se à produção, armazenagem e comercialização a nível nacional de folha de tabaco, à margem da autorização e do controlo das autoridades, furtando-se ao pagamento da respetiva tributação em sede de Imposto sobre o Tabaco (IT), Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) e Imposto sobre o Rendimento das pessoas Coletivas (IRC).

Em janeiro de 2016, durante a operação “Virgínia Express”, uma equipa mista da Unidade de Ação Fiscal da GNR e da Autoridade Tributária e Aduaneira, dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), efetuou 41 buscas, de norte a sul do país, que culminaram com a apreensão de 182 toneladas de tabaco e de tabaco moído, a maior realizada até àquela data na Europa.

As buscas incidiram sobre diversos operadores económicos situados nas regiões do Porto, Gaia, Fundão, Castelo Branco, Leiria, Lisboa e Ponte de Sor.

No decurso da investigação agora concluída pelo DCIAP, destaca-se a apreensão, no total, de 230 toneladas de folha de tabaco que, caso fossem introduzidas nos circuitos comerciais, teriam lesado o Estado em quase 44 milhões de euros. As autoridades apreenderam também 96.000 cigarros sem estampilha fiscal, com um valor que ascende a 15.500 euros. Foram ainda apreendidos mais de 611.000 euros, três armas ilegais, balanças de precisão, vários acessórios industriais utilizados na trituração e comercialização do tabaco e um veículo pesado de mercadorias.

A atividade económica paralela e ilícita era desenvolvida por operadores nacionais e espanhóis, que se dedicavam à produção da planta de tabaco e ao seu processamento. “Em síntese, resultam dos autos fortes indícios de que os mencionados arguidos, no decurso dos anos de 2014 a 2016, se dedicaram à comercialização de folha de tabaco sem o cumprimento das respetivas obrigações fiscais, concretamente do pagamento do IEC (Imposto Especial sobre o Consumo) e IVA. Mais resulta dos mesmos factos que os arguidos não declararam à administração tributária os rendimentos (em sede de respetivos IRS e IRC) originados pela venda de folha de tabaco que realizaram nos anos de 2014 e 2015”, explica a acusação do DCIAP.

O MP acrescenta que esta estrutura disseminada em território nacional garantia a introdução no consumo através da Internet e de entregas diretas ao domicílio dos seus clientes a fim de evitar o pagamento dos impostos legais. O Ministério Público deduziu pedido de indemnização cível superior a 39 milhões de euros para ressarcimento do Estado por parte dos arguidos, pelo prejuízo causado em sede de IT, IVA e IRC, relativamente ao tabaco ilicitamente comercializado pela atividade fraudulenta detetada.

O DCIAP promoveu o arresto de dez imóveis, 27 bens móveis, 28 contas bancárias distribuídas por sete instituições bancárias e um número elevado de outros equipamentos. O principal arguido é o único que se contra sujeito à medida de coação de prisão preventiva à ordem deste processo. Ainda decorre o prazo para que os arguidos possam requerer a abertura de instrução.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Mega processos: não, obrigado.

Euclides Dâmaso

A não ser que não seja de todo possível, a junção de todos os temas no mesmo inquérito e, sobretudo, na mesma acusação, potenciará desmedidamente a dificuldade de gestão do processo.

NATO

Os 70 anos da NATO, vistos da Europa


João Diogo Barbosa

Não só o “exército europeu” se tornou um dos temas essenciais para o futuro, como foi possível, pela primeira vez, a aprovação de um Programa Europeu de Desenvolvimento Industrial no domínio da Defesa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)