Ministério Público

Ministério Público acusa 19 arguidos de fraude de 39 milhões no negócio do tabaco

Na operação, agora concluída pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal, as autoridades apreenderam 96 mil cigarros, mais de 611 mil euros, três armas ilegais, entre outros.

No decurso da investigação destaca-se a apreensão, no total, de 230 toneladas de folha de tabaco

PAULO NOVAIS/LUSA

O Ministério Público (MP) acusou 19 arguidos, oito deles sociedades, de introdução fraudulenta no consumo, fraude fiscal e falsificação de documento, crimes cometidos no negócio do tabaco que lesaram o Estado em mais de 39 milhões de euros.

Segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso esta segunda-feira, os arguidos, entre 2014 e 2016, dedicaram-se à produção, armazenagem e comercialização a nível nacional de folha de tabaco, à margem da autorização e do controlo das autoridades, furtando-se ao pagamento da respetiva tributação em sede de Imposto sobre o Tabaco (IT), Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) e Imposto sobre o Rendimento das pessoas Coletivas (IRC).

Em janeiro de 2016, durante a operação “Virgínia Express”, uma equipa mista da Unidade de Ação Fiscal da GNR e da Autoridade Tributária e Aduaneira, dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), efetuou 41 buscas, de norte a sul do país, que culminaram com a apreensão de 182 toneladas de tabaco e de tabaco moído, a maior realizada até àquela data na Europa.

As buscas incidiram sobre diversos operadores económicos situados nas regiões do Porto, Gaia, Fundão, Castelo Branco, Leiria, Lisboa e Ponte de Sor.

No decurso da investigação agora concluída pelo DCIAP, destaca-se a apreensão, no total, de 230 toneladas de folha de tabaco que, caso fossem introduzidas nos circuitos comerciais, teriam lesado o Estado em quase 44 milhões de euros. As autoridades apreenderam também 96.000 cigarros sem estampilha fiscal, com um valor que ascende a 15.500 euros. Foram ainda apreendidos mais de 611.000 euros, três armas ilegais, balanças de precisão, vários acessórios industriais utilizados na trituração e comercialização do tabaco e um veículo pesado de mercadorias.

A atividade económica paralela e ilícita era desenvolvida por operadores nacionais e espanhóis, que se dedicavam à produção da planta de tabaco e ao seu processamento. “Em síntese, resultam dos autos fortes indícios de que os mencionados arguidos, no decurso dos anos de 2014 a 2016, se dedicaram à comercialização de folha de tabaco sem o cumprimento das respetivas obrigações fiscais, concretamente do pagamento do IEC (Imposto Especial sobre o Consumo) e IVA. Mais resulta dos mesmos factos que os arguidos não declararam à administração tributária os rendimentos (em sede de respetivos IRS e IRC) originados pela venda de folha de tabaco que realizaram nos anos de 2014 e 2015”, explica a acusação do DCIAP.

O MP acrescenta que esta estrutura disseminada em território nacional garantia a introdução no consumo através da Internet e de entregas diretas ao domicílio dos seus clientes a fim de evitar o pagamento dos impostos legais. O Ministério Público deduziu pedido de indemnização cível superior a 39 milhões de euros para ressarcimento do Estado por parte dos arguidos, pelo prejuízo causado em sede de IT, IVA e IRC, relativamente ao tabaco ilicitamente comercializado pela atividade fraudulenta detetada.

O DCIAP promoveu o arresto de dez imóveis, 27 bens móveis, 28 contas bancárias distribuídas por sete instituições bancárias e um número elevado de outros equipamentos. O principal arguido é o único que se contra sujeito à medida de coação de prisão preventiva à ordem deste processo. Ainda decorre o prazo para que os arguidos possam requerer a abertura de instrução.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)