Manuais Escolares

Plataforma de reutilização de manuais escolares quer atrair 70 mil famílias

A plataforma 'online' Book in Loop prevê que no próximo ano letivo mais de 70 mil famílias possam beneficiar da reutilização de manuais escolares, numa poupança superior a três milhões de euros.

O objetivo é impactar, no primeiro ano, uma comunidade de mais de 50 mil famílias e gerar eficiências no mercado de manuais escolares nestes concelhos que poderão ascender a mais de 10 milhões de euros

MÁRIO CRUZ/LUSA

A plataforma ‘online’ de reutilização de livros escolares Book in Loop, uma ‘spin off’ da Universidade de Coimbra, prevê permitir no próximo ano letivo uma poupança superior a três milhões de euros a mais de 70 mil famílias portuguesas. A campanha de 2017 de compra e venda de manuais escolares da Book in Loop arranca na quinta-feira.

Em declarações à agência Lusa, João Bernardo Parreira – um dos três jovens portugueses que em 2016 lançaram o projeto, num investimento de 80 mil euros que contou com o apoio financeiro de ‘business angels’ (investidor individual) nacionais – apontou como metas para este ano a venda de mais de 100 mil manuais, evitar a emissão de 600 mil toneladas de dióxido de carbono e atingir um EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) acima dos 500 mil euros.

Nos planos da empresa, criada com o objetivo de promover a reutilização de livros escolares do 5.º ao 12.º ano, está ainda a ampliação do negócio ao mercado universitário, com o lançamento em 2018 de um produto direcionado para os estudantes daquele nível de ensino, e uma eventual expansão para o mercado internacional.

De acordo com João Bernardo Parreira, a Book in Loop “não é um banco de livros, nem um ‘site’ de classificados“, mas um sistema que visa “garantir conforto na partilha de manuais escolares, assegurar rendimento a quem vende e garantir segurança e qualidade a quem compra os manuais“.

Na Book in Loop todos os manuais escolares passam por um processo de identificação e controlo de qualidade certificado pela Universidade de Aveiro. Este garante que o estado de conservação dos manuais não causa quaisquer prejuízos na aprendizagem dos novos utilizadores e que são os adotados na respetiva escola”, salientou.

Segundo o responsável, através da plataforma é possível poupar quer comprando, quer vendendo os manuais escolares: “Ao comprar, os manuais usados são vendidos a 40% do preço de novos. Ao vender, recebe até 20% do preço original do livro em função das vendas, já que metade do valor da venda é equitativamente distribuído por todas as famílias que tenham entregado um manual com o mesmo ISBN (código identificativo)”, explicou.

Assim, uma família que gaste 215 euros por ano pode poupar 129 euros ao comprar os livros na plataforma, podendo ainda reaver 20% do que gastou nos manuais do ano anterior se decidir entregá-los, num valor na ordem dos 40 euros.

Isto significa que, ao fazer o ‘loop’ completo de compra e venda, uma família poderá poupar até 80% nos manuais escolares, neste caso cerca de 170 euros”, salientou.

Conforme explicou João Bernardo Parreira, após registo prévio no endereço eletrónico da Book in Loop e indicação dos manuais que se pretende vender, estes podem ser entregues nas lojas Continente, Continente Bom Dia, Modelo ou Note existentes em todo o país, no âmbito de uma parceria feita com a Sonae MC para a campanha de 2017.

A partir desta semana fica ainda disponível uma aplicação para ‘smartphone’ através da qual é possível usar a câmara do telemóvel para fazer a leitura do código de barras do manual, permitindo a identificação imediata do livro e a tramitação de todo o processo de venda.

Já o processo de compra dos manuais passa por indicar, na plataforma ‘online’, a escola e o ano do aluno e esta indica os manuais adotados em cada caso, bastando depois selecionar/reservar os livros pretendidos e, assim que os livros estiverem disponíveis, será enviado um ‘email’ indicando que estão prontos.

A entrega pode depois ser feita numa loja da rede da Sonae MC, num dos 600 pontos de entrega disponíveis ou ao domicílio.

Para que sejam aceites na plataforma, os manuais têm que ser livros adotados em Portugal e cumprir alguns critérios de qualidade, não podendo estar riscados, desenhados, sem capas ou rasgados.

De acordo com os dados avançados à Lusa, no primeiro ano de operação – 2016 – o projeto contou com a inscrição de 19 mil famílias, permitiu a recolha de 30 mil manuais escolares e a venda de 10 mil livros, tendo-se traduzido numa poupança de 300 mil euros.

Percebemos que efetivamente a questão dos manuais escolares era um problema para as famílias (desconfiávamos, mas até irmos ao mercado não tínhamos a certeza) e que este modelo foi validado pelas famílias, por isso levantámos uma ronda de capital de risco [do Fundo Bem Comum, vocacionado para projetos com elevado potencial de crescimento] para conseguirmos expandir e melhorar o nosso produto e passarmos a ser uma solução ‘mainstream’ na aquisição e venda de manuais escolares em Portugal”, afirmou.

No início de 2017, a Book in Loop criou ainda o Programa SPIN com um grupo de 10 municípios pioneiros (Santarém, Guarda, Castelo Branco, Figueira da Foz, Famalicão, Fundão, Gouveia, Mação, Pinhel e Sertã) e uma freguesia da região de Lisboa (Estrela) para os quais foi desenvolvido um sistema dedicado em que cada município corresponde a uma plataforma distinta, mas integrada, para reutilização de manuais escolares.

O objetivo é impactar, no primeiro ano, uma comunidade de mais de 50 mil famílias e gerar eficiências no mercado de manuais escolares nestes concelhos que poderão ascender a mais de 10 milhões de euros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Seremos livres? /premium

Maurício Brito
502

Os resultados a que chegámos permitem-nos afirmar que a despesa com a recuperação total do tempo de serviço dos professores rondaria os 300 milhões de euros – metade do valor que o governo apresenta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)