Rádio Observador

Eletricidade

Parlamento aprova opção de regressar à tarifa regulada da eletricidade

229

A proposta do PCP foi aprovada pelo PS, partido que apoiou a liberalização total do mercado de eletricidade. Regresso dos clientes à tarifa põe em causa o fim do mercado regulado.

Deputado Bruno Dias (PCP) congratulou-se com a aprovação parlamentar do regresso à tarifa regulada.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Parlamento aprovou uma proposta do PCP para o setor da energia, com os votos contra de PSD e CDS-PP, que consagra a livre opção dos consumidores domésticos de eletricidade pelo regime de tarifas reguladas. A proposta teve o voto favorável do PS, o partido que quando estava no Governo avançou com a liberalização do mercado de eletricidade para consumidores domésticos, o que na prática consiste na saída da tarifa regulada para um contrato individual fechado com uma comercializadora em regime de concorrência. A tarifa regulada é fixada anualmente pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) e o fornecimento cabe à empresa da EDP que é responsável pelo serviço universal.

Esta medida vai ainda ser discutida na especialidade, mas a aprovação desta possibilidade representa um retrocesso das medidas exigidas pelas troika e que aprovadas pelo anterior governo, com o apoio dos socialistas.

A liberalização total do mercado e o fim das tarifas reguladas da eletricidade e do gás natural eram uma das medidas memorando de entendimento imposto em 2011. Para levar a cabo este objetivo, ficou definido que um cliente que saísse da tarifa regulada para um contrato em mercado, não podia voltar. Também os consumidores que tivessem de mudar o contrato de fornecimento de eletricidade, por mudança de casa, tinham de contratar uma oferta de mercado.

Para acelerar o processo de liberalização total, foi criado um regime de tarifas transitórias que previa a possibilidade de o regulador fixar aumentos de preço intercalares, para persuadir os consumidores a irem ao mercado. Na prática, e apesar do crescente peso do mercado liberalizado, que em março representava 92% do consumo e abrangia 4,8 milhões de clientes, na tarifa regulada estavam ainda 1,34 milhões de clientes, o que tem levado ao adiamento sucessivo do prazo final para o fim das tarifas transitórias.

É um passo muito importante. Vamos trabalhar na especialidade no sentido de garantir a melhor solução do ponto de vista legislativo”, afirmou Bruno Dias.

O PCP viu ainda aprovado o requerimento que solicitou a baixa à comissão, sem votação, por um período de 60 dias, do projeto de resolução que visa a eliminação do sobrecusto do investimento nas redes de energia e pelo controlo público da Central de Despacho da REN.

Igualmente aprovado, com a abstenção do PSD e do CDS-PP, foi o projeto de resolução do PS no qual é recomendado ao Governo que “o montante que vier a ser determinado no ajustamento final dos custos para manutenção do equilíbrio contratual reverta para abatimento às tarifas de eletricidade do ano 2018 e seguintes”.

Nacionalização parcial da REN chumbada

Ainda no setor da energia, o BE viu chumbado, com os votos contra de PS, PSD e CDS-PP e ainda a abstenção do PAN, o projeto de lei que visava o controlo público da atividade de gestão técnica do sistema elétrico nacional mediante a sua separação da atividade de exploração da rede nacional de eletricidade, explorada pela REN (Redes Energéticas Nacionais),

O PCP lamentou que o PS, ao chumbar o diploma para eliminar as rendas excessivas no setor elétrico, não tenha optado “por um passo mais decidido” e tenha escolhido apenas a recomendação do BE no mesmo sentido.

No plenário de hoje da Assembleia da República, o PCP viu chumbado, com os votos contra do PS e do PSD, o projeto de lei que determinava a eliminação dos Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC) e dos Contratos de Aquisição de Energia (CAE) com a EDP e outras empresas do setor eletroprodutor.

Já o projeto de resolução do BE que recomenda ao Governo que elimine as rendas excessivas no setor elétrico, em particular, nos chamados CMEC foi aprovado, com a abstenção do PSD e os votos favoráveis dos restantes partidos.

“Não sei se é meio caminho ou se chega a tanto, mas o passo que foi dado foi uma opção política, nomeadamente do PS que ao rejeitar a proposta do PCP não optou por um passo mais decidido e mais efetivo e optou por uma recomendação ao Governo”, disse o deputado do PCP Bruno Dias, em declarações aos jornalistas depois das votações.

Bruno Dias considerou que a diferença entre estas duas votações foi entre “recomendar ao Governo uma determinada medida ou aprovar uma lei que determina essa medida com outra força e com outro impacto”.

“Teria outra força e outra garantia do ponto da vista do Estado e da lei se tivesse sido aprovado o projeto do PCP, mas nós não desistimos”, enfatizou, recordando que já no Orçamento do Estado o PS tinha votado contra uma proposta comunista no mesmo sentido.

Segundo o deputado do PCP, “aquilo que aconteceu no Orçamento do Estado voltou a acontecer agora relativamente a uma determinação legal que significava extinguir esses contratos milionários no prazo definido”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)