Sismo

Sismo de 6.6 na fronteira entre o México e a Guatemala faz dois mortos

Há dois mortos na sequência de um sismo de magnitude de 6.6 na escala de Richter, sentido esta quarta-feira junto à costa, na fronteira entre o México e a Guatemala. Houve réplicas sentidas.

Minutos antes do terramoto registaram-se outros abalos pela região

RITCHIE B. TONGO/EPA

Um sismo de intensidade de 6.6 na escala de Richter foi sentido esta quarta-feira junto à costa, na fronteira entre o México e a Guatemala. Duas pessoas morreram, anunciou o Presidente do país, Jimmy Morales.

Um homem morreu ao cair-lhe em cima uma parede, no distrito meridional de Retalhuleu, ao passo que, no departamento ocidental de Quetzaltenango, uma mulher morreu de paragem cardiorrespiratória devido ao susto que o sismo lhe causou, precisou o chefe de Estado, sem revelar a identidade das vítimas.

Por seu lado, o primeiro relatório oficial da Coordenadora Nacional de Redução de Desastres (Conred) dá conta de três pessoas feridas em San Marcos e duas em Quetzaltenango, bem como mais de 600 pessoas afetadas por danos materiais e mais de 50 casas destruídas.

As autoridades descartam para já a hipótese de tsunami. O terramoto acontece depois de vários abalos sentidos. A informação foi confirmada pelo Instituto Nacional de Vulcanologia, Sismologia, Meteorologia e Hidrologia (INSIVUMEH) guatemalteco.

O terramoto aconteceu às 01h29 locais (08h29 em Lisboa), cerca de 156 quilómetros a nordeste da Cidade da Guatemala, no departamento de San Marcos, que faz fronteira com a região mexicana de Chiapas, tendo sido sentido com força também na capital guatemalteca. O Centro Sismológico Euro-Mediterrânico (EMSC), por seu lado, referiu que o tremor alcançou uma magnitude de 6,9 na escala de Richter, com uma profundidade de 105 quilómetros.

O epicentro deu-se a uma profundidade de 151 quilómetros e provocou cortes de energia em algumas áreas, como nos departamentos de San Marcos, Sucatepéquez e Retalhuleu. A Proteção Civil de Chiapas, no México, tem partilhado o patrulhamento policial que está a ser feito nas ruas.

Na mesma área de fronteira com o México foi registada uma réplica às 01h52, hora local (08h52 horas de Lisboa), segundo o instituto guatemalteco, com uma magnitude de 5.6 na escala de Richter, a 76 quilómetros de profundidade e a uma distância de 59 quilómetros de San Marcos. Minutos antes do terramoto registaram-se outros abalos na costa de Chiapas, no México.

As autoridades locais recomendam que população contacte os números de emergência para mais informações e têm emitido algumas precauções a ter em conta.

O Presidente da Guatemala, Jimmy Morales, no seu Twitter, apelou à calma e aconselhou a população a estar atenta às réplicas.

De acordo com os dados do Instituto guatemalteco, um ferido já foi assistido e muitos têm sido os estragos pelas zonas próximas ao epicentro. Um canal de notícias local tem partilhado algumas dessas imagens no seu Twitter.

A Guatemala, o quarto país do mundo em risco de ameaças naturais, sofre muitos abalos sísmicos. Em 1976, um tremor causou a morte de 23.000 pessoas e destruiu quase um terço do território.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)