Rádio Observador

Planetas

NASA anuncia descoberta de centenas de exoplanetas. 10 podem suportar vida

330

O observatório Kepler encontrou novos 219 possíveis planetas, dez dos quais podem suportar vida. São as conclusões do mais completo catálogo de planetas fora do Sistema Solar de sempre.

YouTube

O telescópio espacial Kepler detetou a existência de 219 novos corpos celestes fora do Sistema Solar que podem ser planetas, dez dos quais estão na zona habitável das estrelas que orbitam. Estas são as conclusões publicadas esta segunda-feira pela NASA, agência espacial norte-americana, sobre o catálogo de missão deste observatório espacial lançado em 2009. É o mais completo e detalhado catálogo de possíveis exoplanetas detetados nos primeiros quatro anos do Kepler.

De acordo com as revelações da NASA, os 219 candidatos a exoplanetas — incluindo os dez que vivem a uma distância suficiente da sua estrela para permitir a existência de água em estado líquido na superfície rochosa do planeta — foram todos encontrados na posição relativa da constelação de Cisne. Contando com eles, já existem 4.034 candidatos a planetas detetados pelo Kepler na base de dados disponível ao público no Arquivo de Exoplanetas da NASA. De entre estes corpos celestes, 2.335 já foram confirmados como exoplanetas, ou seja, ficam fora do Sistema Solar e portanto orbitam outras estrelas. Há 50 exoplanetas captados pelo Kepler que podem ter o tamanho aproximado da Terra e viver na zona habitável das suas estrelas.

Mas as contribuições do catálogo da Kepler vão mais longe: eles permitiram descobrir que há dois grupos de pequenos planetas com características diferentes que devem ser levados em conta pelos cientistas na hora de os escolher como possíveis berços de vida. É que alguns deles, devido à sua demografia e prevalência na Via Láctea, podem não ter superfície ou ter uma atmosfera demasiado densa e pesada para um organismo vivo a conseguir suportar. Essas conclusões que apenas o catálogo do Kepler podia permitir tirar, garantiu Mario Perez, cientista de programação do telescópio espacial na Divisão de Astrofísica da NASA: “O conjunto de dados Kepler é único porque é o único que contém uma população desses análogos terrestres próximos, planetas com aproximadamente o mesmo tamanho e órbita da Terra. Compreender a sua frequência na galáxia ajudará a fundamentar a natureza de futuras missões da NASA”.

O telescópio espacial Kepler deteta planetas observando como a luminosidade das estrelas parece diminuir quando os corpos celestes se colocam entre esses “sóis” e a lente do observatório. Estudando se a luminosidade dessas estrelas diminuem muito ou pouco, os cientistas podem perceber se os corpos celestes são grandes ou não. E a partir daí podem também aproveitar para saber se são rochosos ou gasosos, de tamanho semelhante ao da Terra ou se orbitam as estrelas a uma distância que permita a existência de água em estado líquido à superfície. Graças a toda esta análise, os cientistas procuram responder a uma pergunta: quantas “Terras” existem na Via Láctea?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)