Justiça

Hermínio Loureiro “surpreendido” e “apreensivo” com processo “Ajuste Secreto”

O vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro, está "surpreendido" e "apreensivo" por ter sido detido no âmbito da operação "Ajuste Secreto".

A operação "Ajuste Secreto" resultou de uma investigação que durava há um ano e culminou na passada segunda-feira com a detenção de sete pessoas

FERNANDO VELUDO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro, está “surpreendido” e “apreensivo” por ter sido detido no âmbito da operação “Ajuste Secreto” da Polícia Judiciária (PJ), revelou esta terça-feira à Lusa o advogado de defesa.

É um estado de espírito surpreendido e obviamente apreensivo. Vamos procurar esclarecer as situações que estão por esclarecer”, disse o advogado Tiago Rodrigues Bastos. O advogado que representa Hermínio Loureiro referiu ainda que o seu cliente deverá prestar declarações perante a Juíza de Instrução Criminal, Ana Cláudia Nogueira.

“Naturalmente, que o meu cliente está interessado em prestar todos os esclarecimentos que forem oportunos. O meu cliente está a analisar o que é lhe é imputado”, disse o advogado. O causídico falava à saída do Tribunal de Santa Maria da Feira, onde os sete indivíduos que foram detidos na segunda-feira pela PJ deveriam começar a ser ouvidos em primeiro interrogatório judicial para aplicação das medidas de coação.

No entanto, a juíza de instrução criminal apenas identificou os arguidos, devendo os interrogatórios começar na quarta-feira, pelas 11h00, com a audição de João Moura de Sá, ex-deputado do PSD na Assembleia da República.

Além da identificação dos arguidos, que terminou cerca das 19h00, os advogados de defesa estiveram a consultar o processo durante a tarde.

“Fomos confrontados com os factos que são imputados aos nossos constituintes. Só que são documentos extensos e, portanto, não permitem neste momento ainda fazer uma avaliação de todos os factos”, disse Tiago Rodrigues Bastos.

A operação “Ajuste Secreto” resultou de uma investigação que durava há um ano e culminou na passada segunda-feira com a detenção de sete pessoas.

Entre os detidos, o nome mais sonante é o do vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Hermínio Loureiro, que também foi secretário de Estado da Juventude e Desporto do governo PSD chefiado por Santana Lopes e presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (2006-2010).

Hermínio Loureiro foi ainda presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis até dezembro de 2016, quando renunciou ao mandato.

Na mesma operação foram ainda detidos Isidro Figueiredo, atual presidente da Câmara de Oliveira de Azeméis (PSD), João Moura de Sá que foi deputado do PSD na Assembleia da República (1995-2002), e presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (2004-2005), José Francisco, presidente da Concelhia do PSD de Oliveira de Azeméis, e três empresários da construção civil.

Os arguidos são suspeitos de crimes de corrupção ativa e passiva, prevaricação, peculato e tráfico de influência.

A operação “Ajuste Secreto” envolveu 31 buscas, designadamente a cinco câmaras municipais (Oliveira de Azeméis, Estarreja, Albergaria-a-Velha, Matosinhos e Gondomar) e cinco clubes de futebol, todos do concelho de Oliveira de Azeméis.

Cerca de 90 elementos da Polícia Judiciária e vários magistrados do Ministério Público participaram na operação, designada “Ajuste Secreto”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Justiça

Danos do divórcio e direito à indemnização

Nuno Cardoso Ribeiro
634

Hoje o processo judicial de divórcio não admite pedidos indemnizatórios sendo necessária uma acção cível e reviver factos e episódios que se prefere esquecer. Este regime todos os dias cria injustiças

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido
3.720

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)