As medidas são radicais: desde jogos com duas partes de 30 minutos, ou seja, reduzidos para uma hora em vez da atual hora e meia, a golos com a mão punidos com penálti ou até golos atribuídos à equipa contrária sem terem sido mesmo marcados. Seja para sancionar o mau fairplay, seja para tornar o desporto mais atrativo, as ideias da International Football Association Board (IFAB), a associação que aconselha a FIFA sobre as regras do futebol, querem mudar o futebol como o conhecemos.

As propostas mais polémicas têm a ver com os golos marcados com a mão. A IFAB propões duas coisas: que os árbitros consideram golo da equipa adversário se “um defesa evitar um golo com a mão, estando em cima (ou perto) da linha de golo” e também que o jogador que marca golo com a mão seja expulso e ainda que se o guarda-redes agarra a bola com a mão depois de um lançamento lateral ou num passo atrasado, a sua equipa seja punida com penálti em vez de livre indireto.

A IFAB quer ainda que um jogador suplente expulso quando está no banco passe a contar como uma substituição. E que só o capitão se possa dirigir ao árbitro depois de uma decisão controversa.

as equipas podem perder pontos ou serem multadas caso tenham mau comportamento em campo para com os árbitros. Quanto aos jogadores substituídos, devem começar a sair pelo lado do campo que estiver mais próximo – como já acontece com os jogadores lesionados.

O final da partida também pode mudar: os árbitros passam a apitar só quando a bola não esteja em campo. As propostas da IFAB querem ainda mais rigor com os tempos de compensação – os “descontos” – daí sugerirem paragens no cronómetro quando a bola não está em jogo.

Outra novidade incide nos desempates por grandes penalidades: sugere-se a utilização da sequência ABBA – semelhante ao utilizado nos tie-breaks de ténis. Assim, quando uma equipa tem a primeira tentativa, a outra tem duas e a sequência mantém-se de dois em dois até chegarem aos cinco cada.

No que respeita aos penáltis durante os jogos, há também propostas de mudança. Quando um penálti não for concretizado e a bola ficar em campo devem acabar as recargas e ser assinalado pontapé de baliza. Acabaria assim a necessidade dos jogadores das duas equipas ficarem junto à área para preparados para uma bola perdida.

Os planos vêm no documento “Fair Play!” e visam combater os maus comportamentos que existem em campo, tal como tornar mais atrativo o futebol. As medidas, essas, podemos considerar de três tipos: as que podem ser já implementadas sem necessidade de alterar o regulamento; as que estão prontas a ser testadas; e aquelas que ainda estão a ser consideradas.

A IFAB é formada por quatro associações de futebol do Reino Unido e quatro representantes da FIFA. Reúne-se duas vezes por ano em assembleia geral entre fevereiro e março, onde considera as alterações a serem feitas no mundo do futebol. Na próxima reunião espera-se que a organização discuta as propostas deste documento.