MAI recusa comando único de prevenção e combate

Relatórios e recomendações do Parlamento indicam que prevenção, vigilância e combate deviam estar centralizadas num comando único. Estudos apontam vantagens, mas Governo não acolheu recomendação.

Por Rita Dinis