Angola vai ter um Sistema Integrado de Gestão de Segurança Pública, para responder em tempo útil as solicitações dos cidadãos em casos de alteração da ordem pública, catástrofes e outras de natureza securitária, foi divulgado esta quinta-feira em Luanda.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo ministro do Interior de Angola quando discursava por ocasião do 38.º aniversário do Ministério do Interior, avançando igualmente que estão em curso a construção de mais de 70 estabelecimentos ligados ao setor.

Ângelo Veiga Tavares informou que a aplicação do Sistema Integrado de Gestão de Segurança Pública, já em curso, com a criação dos respetivos centros nacionais, municipais e unidades de resposta, vai introduzir no país um novo modelo de intervenção dos distintos órgãos de segurança e ordem interna.

Segundo o ministro, o objetivo é “corresponder às solicitações dos cidadãos em casos de alteração da ordem pública, catástrofes e outras de natureza securitária”.

Fazendo um balanço dos 38 anos de atividades daquele ministério, o responsável disse que, apesar das dificuldades, foi possível “manter a integridade territorial do país, a paz, a segurança, a ordem e a tranquilidade públicas”, assinalando que foi igualmente garantido o clima adequado para o normal funcionamento das instituições do Estado.

A aprovação do novo Estatuto Orgânico do Ministério do Interior foi ainda sublinhada como um ganho para o setor, que permitiu dar “maior enfoque à gestão coletiva e repor a justiça” em relação aos quadros, “profundamente afetados pelas insuficiências” no processo de fusão entre os ministérios do Interior e da Segurança do Estado.

Ângelo da Veiga Tavares fez saber igualmente que a nível do país estão em curso mais de 70 obras entre comandos, esquadras e postos policiais, estabelecimentos prisionais, entre outras instituições, algumas das quais com elevado grau de execução física e que serão retomadas e concluídas “num futuro próximo”.

Um elevado número de jovens ingressou durante os últimos anos no Ministério do Interior de Angola, destacando-se o sexo feminino, existindo atualmente na instituição pública mais de 20 mil mulheres.

Nas celebrações do 38.º aniversário do Ministério do Interior de Angola, o ministro informou também que está consolidada a Caixa de Proteção Social para o efetivo.