A data da Fase Charlie, que marca o início do período crítico de fogos, deverá ser antecipada na sequência de uma decisão do Conselho de Ministros que se reúne hoje, avança o jornal Público. A medida, que envolve várias medidas, incluindo a proibição de fogueiras e fogo-de-artifício em certas ocasiões, surge numa situação excecional, tendo em conta que a época de abertura estava anteriormente prevista para 1 de julho.

A decisão deverá ser tomada em portaria do ministério da Agricultura, a tutela de Luís Capoulas dos Santos, na reunião semanal do Governo, onde também será discutida a conjuntura criada pelos fogos que devastaram Pedrógão Grande e se alastraram a Góis e Pampilhosa da Serra. Segundo o Público, o Conselho de Ministros aprovará um decreto lei para a criação de um fundo para gestão dos donativos privados que têm sido feitos para as vítimas.

Vão ser constituídas equipas técnicas nos municípios afetados para o levantamento completo dos prejuízos provocados pelos incêndios. O ministro do Planeamento afirma que o Governo quer concluir a ação em dez dias. Relembre-se que, no ano passado, o Governo prolongara a época crítica de incêndios até 15 de outubro, quando por lei esta termina a 30 de setembro.