A primeira convenção nacional do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) teve início esta quinta-feira em Bissau sob forte medidas de segurança, depois de a polícia ter dispersado um grupo que tentou perturbar o encontro.

Um grupo de jovens tentou perturbar e foi repelido pela Polícia de Ordem Pública(POP)”, disse fonte da organização da convenção nacional do PAIGC, maior formação política da Guiné-Bissau.

Segundo a mesma fonte, o PAIGC já tinha informado as forças de segurança guineenses e a Ecomib, força de interposição da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) destacada em Bissau, sobre a realização da convenção.

Está tudo calmo e a convenção está a decorrer com normalidade”, acrescentou a fonte.

Junto à sede do PAIGC, situada na Praça dos Heróis Nacionais ao lado da Presidência guineense, permanece um forte dispositivo de segurança, que está a condicionar a circulação de veículos naquela rotunda, no centro da capital guineense.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) iniciou esta quinta-feira a sua primeira convenção nacional sob o lema “Pensar, para melhor agir”.

Entre esta quinta-feira e sábado, 600 delegados do partido vão debater temas que incluem os princípios e fundamentos ideológicos do PAIGC, os estatutos do partido, o papel dos jovens e das mulheres, a corrupção no país e o melhor regime político para a Guiné-Bissau.

A primeira convenção nacional do PAIGC ocorre num momento em que o país vive um impasse político há cerca de dois anos, com a paralisação do parlamento, na sequência da dissidência de mais de uma dezena de deputados deste partido.

O Governo do PAIGC saído das eleições de 2014 caiu na sequência da demissão de Domingos Simões Pereira do cargo de primeiro-ministro e desde então o país já teve cinco chefes de Governo, numa crise que está a ser mediada pela CEDEAO.