Jane Birkin, Roberta Sá, Mayra Andrade e Bonga são alguns dos artistas que vão participar no programa do Jardim de Verão da Gulbenkian, em Lisboa, entre esta sexta-feira e 20 de julho, com música, cinema, debates e exposições.

De acordo com a programação divulgada pela fundação, depois da primeira edição do Jardim de Verão, no ano passado, para celebrar o 60.º aniversário da Fundação Calouste Gulbenkian, o evento regressa este ano também com atividades para famílias.

Para sábado está marcado um concerto da brasileira Roberta Sá, no anfiteatro ao ar livre, com um repertório de temas do último álbum, “Delírio”, que gravou, também, com António Zambujo.

Este concerto inicia um ciclo dedicado à música lusófona, que inclui a cabo-verdiana Mayra Andrade (domingo) e a sua pop tropical, Bonga (30 de junho), com o semba, símbolo da identidade angolana que deu origem à kizomba, e ainda a guineense Eneida Marta (15 de julho), que cruza o gumbé com o jazz.

A 14 julho, estreia-se em Portugal, no Jardim Gulbenkian, o espetáculo “Birkin: Gainsbourg Sinfónico”, no qual Jane Birkin revisita, em versão sinfónica, os clássicos do ex-companheiro Serge Gainsbourg, falecido em 1991.

Do repertório fazem parte duas dezenas de temas, como “La Javanaise”, “Jane B”, “Babe Alone in Babylone”, “La Chanson de Prévert”, “Requiem pour un con”, “Initiales BB”, “My Lady Heroine” e “Lost Song”, que a artista vai interpretar na companhia do pianista japonês Nobuyuki Nakajima e da Orquestra Gulbenkian, dirigida por Jan Wierzba.

Até 20 de julho, na área da música, estão programadas sonoridades do Médio Oriente, com o projeto Cairo Jazz Station (29 de junho), que junta jovens do Egito, da Turquia, de Portugal e de Itália, mas também The Secret Trio (07 de julho), que reúne no Jardim Gulbenkian os modos microtonais do Médio Oriente, as batidas de dança dos Balcãs, mais as improvisações e influências do jazz, do rock e da música clássica.

A segunda edição do Jardim de Verão inclui uma mostra de filmes de cineastas portugueses que contaram com o apoio da Fundação Gulbenkian, sobretudo na última década.