A explosão de um veículo armadilhado perto do gabinete do chefe provincial da polícia no sudoeste do Paquistão causou esta sexta-feira 11 mortos e 20 feridos, disseram responsáveis.

A explosão, que ocorreu perto do gabinete do chefe da polícia em Quetta, capital da província do Baluchistão, foi ouvida em toda a cidade e estilhaçou as janelas dos edifícios mais próximos, disse um porta-voz da polícia Shahzada Farhat.

Wasim Beg, um porta-voz de um hospital do governo, disse que o número de mortos causados pelo atentado pode vir a aumentar, uma vez que alguns feridos estão em estado grave. O último balanço foi de cinco mortos e 16 feridos.

Um porta-voz do governo provincial, Anwarul Haq Kahar, afirmou que a bomba foi colocada num carro em movimento, mas os responsáveis estavam ainda a tentar determinar se foi um atentado suicida. O ataque não foi reivindicado.

O Baluchistão é palco, há uma década, de ações de grupos nacionalistas e separatistas que exigem uma maior fatia dos recursos regionais ou a independência, mas muitos ataques são perpetrados por talibãs paquistaneses e grupos militantes islâmicos, como Lashkar-e-Jhangvi, considerado um aliado próximo do grupo extremista Estado Islâmico, e o Jamaat-ul-Ahrar, que reivindicou vários atentados no Baluchistão e têm as suas bases nas regiões tribais paquistanesas.