Poupança

Taxa de poupança volta a cair e atinge o valor mais baixo em 18 anos

A taxa de poupança das famílias voltou a cair, para os 3,8% do rendimento disponível até março, o valor mais baixo pelo menos desde que há dados.

Esta redução "resultou da variação mais intensa na despesa de consumo final do que no rendimento disponível"

MÁRIO CRUZ/LUSA

A taxa de poupança das famílias voltou a cair, para os 3,8% do rendimento disponível até março, o valor mais baixo pelo menos desde o quarto trimestre de 1999, o primeiro para o qual há dados, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Nas contas nacionais trimestrais por setor institucional publicadas esta sexta-feira, o INE refere que, no ano terminado nos primeiros três meses deste ano, a taxa de poupança das famílias “situou-se em 3,8% do rendimento disponível, menos 0,5 pontos percentuais do que no trimestre anterior”, estando a cair há três trimestres consecutivos.

Esta redução “resultou da variação mais intensa na despesa de consumo final do que no rendimento disponível”.

O crescimento do rendimento disponível das famílias deveu-se principalmente ao aumento de 0,9% das remunerações recebidas, “que mais do que compensou as reduções dos rendimentos líquidos de propriedade e do saldo das prestações sociais líquidas de contribuições”.

Assim, considerando os valores para o ano acabado no primeiro trimestre de 2017, a capacidade de financiamento das famílias caiu para 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB), depois de se ter situado nos 0,8% do PIB nos 12 meses concluídos no trimestre anterior, uma situação que reflete “sobretudo a redução da taxa de poupança”, indica o INE.

A economia portuguesa registou uma capacidade de financiamento de 1,5% do PIB até março, mais 0,1 pontos percentuais do que no trimestre anterior.

Por setor institucional, a capacidade de financiamento das empresas fixou-se em 0,6% do PIB, 0,2 pontos percentuais acima da registada no trimestre anterior, e a das sociedades financeiras estabilizou nos 2,2% do PIB.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral
221

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)