Houve uma altura em que o príncipe Harry pensou seriamente em deixar para trás a vida de realeza para a qual nasceu. Em declarações publicadas pelo Daily Mail, o filho mais novo dos príncipes Carlos e Diana revelou que em tempos quis simplesmente “sair” e prosseguir uma vida banal, fora da Família Real Britânica — ou, nas suas palavras, da “Firma”.

Senti que queria sair mas decidi ficar e trabalhar um papel para mim próprio”, comenta em entrevista, deixando claro que foi a lealdade para com a rainha Isabel II, sua avó, que o fez ficar.

“Não queremos ser apenas um grupo de celebridades, ao invés queremos usar o nosso papel para o bem”, disse o jovem príncipe, de 32 anos, que tem desempenhado um importante papel em ações e obras de caridade. “Somos incrivelmente apaixonados pelas nossas instituições de caridade, que foram escolhidas por estarem no caminho que a minha mãe me mostrou.”

As declarações de Harry vêm na sequência do que disse anteriormente à revista Newsweek, quando sugeriu que nenhum membro da família real quer ascender ao trono. “Há alguém na família real que queira ser rei ou rainha? Acho que não, mas nós cumpriremos os nossos deveres na altura certa.”

https://twitter.com/moreroyals/status/878981424216518656

Harry falou ainda sobre a experiência de ter caminhado atrás do caixão da mãe quando tinha apenas 12 anos — a princesa Diana morreu a 31 de agosto de 1997, aos 36 anos. Uma situação que o próprio diz que nunca deveria ser pedida a uma criança, independentemente das circunstâncias. A experiência no exército também foi abordada, com Harry a admitir que foi entre soldados que alcançou o melhor escape possível. “Senti que estava mesmo a alcançar alguma coisa.”

Príncipe Harry revela que procurou apoio psicológico para superar a morte da mãe

O irmão do príncipe William, o segundo na linha de sucessão ao trono, tem dado que falar em 2017. Em abril deste ano, Harry foi notícia ao revelar que precisou de quase 20 anos para enfrentar a perda da mãe, que morreu num acidente de automóvel em Paris, e que para isso teve de pedir apoio psicológico e evitar o colapso.