Rádio Observador

CM Porto

Rui Moreira apresenta candidatura a 1 de julho

Presidente da Câmara Municipal do Porto tenta reeleição, depois da vitória como independente, nas eleições de 2013, que lhe valeu uma votação de 39,25% dos votos.

Ricardo Castelo / Observador

Autor
  • Pedro Raínho

O Presidente da Câmara Municipal do Porto vai apresentar a sua recandidatura à autarquia a 1 de julho. Em comunicado, o movimento liderado por Rui Moreira refere que a apresentação “marcará o arranque das ações de campanha que visam a eleição de Rui Moreira como presidente da câmara”.

Os 39,25% dos votos conquistados em 2013 pelo movimento independente “O nosso partido é o Porto” valeram ao autarca seis lugares no executivo — mais um lugar e o autarca teria conquistado a maioria absoluta. Na sequência das eleições, Moreira estebeleceu um acordo com o PS, cuja candidatura tinha sido encabeçada por Manuel Pizarro.

Quanto anos depois, os protagonistas são os mesmos, mas o clima mudou. A polémica nascida das declarações de Ana Catarina Mendes ao Observador, numa entrevista em que a secretária-geral do PS reclamava para os socialistas os louros de uma vitória de Moreira em 2017, irritou as hostes do autarca portista.

Na sequência desse episódio, Rui Moreira e Pizarro — que tinham desenvolvido uma relação de proximidade e de grande entendimento no atual mandato — seguiram caminhos separados, apresentando candidaturas independentes entre si. Pizarro abdicou, de resto, das responsabilidades que tinha no executivo. Para essa decisão contribuiu o facto de Moreira ter dispensado o apoio do PS nas autárquicas, com o argumento de que não poderia deixar que a sua candidatura fosse “contaminada” pelos socialistas.

Em entrevista ao Observador, Rui Moreira não esclareceu se, vencendo as eleições, estaria disposto a convidar novamente Pizarro para a sua equipa. “São os eleitores portuenses — não é Lisboa –, que vão determinar nos próximos meses quem é que vai ganhar as eleições. E depois vão determinar se o vencedor dessas eleições terá ou não a maioria absoluta, e só depois disso nós faremos a interpretação que entendermos”, disse o autarca.

Pizarro foi mais claro, na entrevista que deu ao Observador, já no início do mês: “Convidaria Rui Moreira para vereador? Evidentemente.”

Nas eleições marcadas para 1 de outubro estão, como cabeças-de-lista ao Porto, o independente Álvaro Almeida, que conta com o apoio do PSD e do PPM, João Teixeira Lopes, pelo BE (depois de João Semedo se ter afastado da corrida à presidência da câmara, por motivos de saúde), e Ilda Figueiredo, que concorre em nome da CDU.

Governo “afasta” número 2 de Moreira

Guilhermina Rego, atual vice-presidente da câmara do Porto, recebeu um convite do Governo para presidir à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), escreve o Expresso. O semanário refere que o convite é interpretado,em alguns setores do PS, como a prova de que existia, de facto, um acordo entre Moreira e Pizarro para que o socialista subisse ao segundo lugar da hierarquia no próximo mandato.

A número 2 da equipa de Moreira, há oito anos na autarquia (já tinha sido vereadora do anterior presidente da câmara do Porto, Rui Rio) ainda não respondeu ao convite. Mas, diz o semanário, está “sensível à mudança”. O desgaste dos anos na autarquia e uma relação mais distante de Moreira contribuirão para essa posição, acrescenta o Expresso.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)