O Presidente da Câmara Municipal do Porto vai apresentar a sua recandidatura à autarquia a 1 de julho. Em comunicado, o movimento liderado por Rui Moreira refere que a apresentação “marcará o arranque das ações de campanha que visam a eleição de Rui Moreira como presidente da câmara”.

Os 39,25% dos votos conquistados em 2013 pelo movimento independente “O nosso partido é o Porto” valeram ao autarca seis lugares no executivo — mais um lugar e o autarca teria conquistado a maioria absoluta. Na sequência das eleições, Moreira estebeleceu um acordo com o PS, cuja candidatura tinha sido encabeçada por Manuel Pizarro.

Quanto anos depois, os protagonistas são os mesmos, mas o clima mudou. A polémica nascida das declarações de Ana Catarina Mendes ao Observador, numa entrevista em que a secretária-geral do PS reclamava para os socialistas os louros de uma vitória de Moreira em 2017, irritou as hostes do autarca portista.

Na sequência desse episódio, Rui Moreira e Pizarro — que tinham desenvolvido uma relação de proximidade e de grande entendimento no atual mandato — seguiram caminhos separados, apresentando candidaturas independentes entre si. Pizarro abdicou, de resto, das responsabilidades que tinha no executivo. Para essa decisão contribuiu o facto de Moreira ter dispensado o apoio do PS nas autárquicas, com o argumento de que não poderia deixar que a sua candidatura fosse “contaminada” pelos socialistas.

Em entrevista ao Observador, Rui Moreira não esclareceu se, vencendo as eleições, estaria disposto a convidar novamente Pizarro para a sua equipa. “São os eleitores portuenses — não é Lisboa –, que vão determinar nos próximos meses quem é que vai ganhar as eleições. E depois vão determinar se o vencedor dessas eleições terá ou não a maioria absoluta, e só depois disso nós faremos a interpretação que entendermos”, disse o autarca.

Pizarro foi mais claro, na entrevista que deu ao Observador, já no início do mês: “Convidaria Rui Moreira para vereador? Evidentemente.”

Nas eleições marcadas para 1 de outubro estão, como cabeças-de-lista ao Porto, o independente Álvaro Almeida, que conta com o apoio do PSD e do PPM, João Teixeira Lopes, pelo BE (depois de João Semedo se ter afastado da corrida à presidência da câmara, por motivos de saúde), e Ilda Figueiredo, que concorre em nome da CDU.

Governo “afasta” número 2 de Moreira

Guilhermina Rego, atual vice-presidente da câmara do Porto, recebeu um convite do Governo para presidir à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), escreve o Expresso. O semanário refere que o convite é interpretado,em alguns setores do PS, como a prova de que existia, de facto, um acordo entre Moreira e Pizarro para que o socialista subisse ao segundo lugar da hierarquia no próximo mandato.

A número 2 da equipa de Moreira, há oito anos na autarquia (já tinha sido vereadora do anterior presidente da câmara do Porto, Rui Rio) ainda não respondeu ao convite. Mas, diz o semanário, está “sensível à mudança”. O desgaste dos anos na autarquia e uma relação mais distante de Moreira contribuirão para essa posição, acrescenta o Expresso.