A cerveja Desperados pode sair das prateleiras mexicanas em breve. Em causa está uma ameaça feita pelo Conselho Regulador de Tequila do México (CRT) à Heineken. A entidade nacional agrupa os principais produtores de tequila mexicanos e promete avançar com um processo legal caso a marca de cervejas se recuse a alterar o rótulo das suas bebidas.

É que a cerveja Desperados – que também se vende em Portugal – não contém “traços suficientes” de tequila. A cerveja é feita em barris embebidos na bebida, e até inclui “aromas” de limão, mas o CRT entende que a maior exportação mexicana nem sequer deve ser consumida em shots, mas sim bebida aos poucos. Muito menos deve ser misturada com cerveja.

Norma Oficial Mexicana

Mostrar Esconder

A Norma Oficial Mexicana (NOM) estipula que todas as bebidas de tequila sejam produzidas utilizando uma espécie específica de agave e que esta tem que ser produzida em determinados estados e municípios mexicanos, estipulados na norma.

Estipula também que qualquer bebida de tequila tem, no mínimo, 38% de volume alcoólico.

A Desperados tem um volume alcoólico de 5,9%.

O grupo de produtores garante que a bebida viola as regulamentações oficiais “de origem”: usa o nome de tequila, mas não contém quantidades suficientes para ser chamada de tal. E não é difícil de perceber por que se sentem ofendidos: a cerveja vai contra a imagem da tequila que se tenta cultivar no México.

Há anos que os produtores e exportadores mexicanos de tequila tentam desassociar a bebida da imagem menos boa que adquiriu. Defendem que não é “uma bebida para ficar alcoolizado” mais depressa, mas sim uma bebida sofisticada. Desta forma, a Heineken tem até ao fim do mês para deixar de rotular a Desperados como contendo tequila. A marca garante ainda que a cerveja contém formatos genuínos da bebida, mas não especifica as quantidades.