Dois dos maiores “gigantes” do universo das rent-a-car acabam de estabelecer ligações com duas não menos relevantes empresas do sector das tecnologias, ambas apostadas em desenvolver sistemas de condução autónoma. O primeiro passo foi dado pela Alphabet (a filial da Google responsável pelo projecto Waymo) e pelo grupo Avis Budget, a que se seguiu o acordo estabelecido, em sentido idêntico, pela Hertz, através da sua subsidiária Donlen, e a Apple.

No primeiro caso, as informações disponíveis referem que a Avis será responsável pela gestão da frota de monovolumes Cryhsler Pacifica autónomos que a Waymo tem já em testes na região de Phoenix, no estado norte-americano do Arizona. Um acordo cujos contornos financeiros não foram divulgados, com validade plurianual, mas não exclusivo, que prevê que a Avis não só disponibilize estacionamento para os veículos (incluindo tendas feitas à medida dos mesmos), como assegure a respectiva limpeza e manutenção (como mudanças de óleo e de pneus, entre outras operações) – excluindo a do hardware específico da Waymo relacionado com a condução autónoma (caso dos sensores de Lidar).

Por seu turno, documentação proveniente da entidade rodoviária californiana, a que a Bloomberg teve acesso, indica que a Hertz e a Apple também são parceiras nesta matéria. Ao que tudo indica, ao abrigo deste acordo, a Donlen, a divisão de gestão de frotas da Hertz, aluga à criadora do iPhone os seis Lexus RX 450h que a empresa neste momento tem em testes de condução autónoma na região de São Francisco, também nos EUA, presumivelmente mais para que o operador de rent-a-car possa aceder à tecnologia de condução autónoma do que para os seus clientes possam, efectivamente, alugar automóveis autónomos – pelo menos nesta fase. Também aqui, não são conhecidos os montantes envolvidos.

Certo parece ser que os automóveis autónomos vão necessitar de mais e maiores cuidados do que os convencionais. Por exemplo, a Waymo prevê que os seus veículos estejam constantemente em uso, entre diversos utilizadores, desgastando-se mais, e envelhecendo mais rapidamente, do que aqueles que ficam imobilizados quando o seu proprietário não está ao volante. Há mesmo quem preveja que os veículos da Waymo percorram cerca de seis vezes mais quilómetros por ano do que a média dos automóveis tradicionais, o que não deixa de abrir novas oportunidades para as empresas de aluguer de automóveis, em especial pela experiência que detêm no domínio da gestão de frotas.