A Câmara de Caminha anunciou esta terça-feira a abertura do concurso público para execução de uma rede de defesa da floresta contra incêndios, num investimento de mais de 500 mil euros a aplicar numa área superior a 315 hectares.

Em comunicado, aquela autarquia do distrito de Viana do Castelo especificou que “a empreitada, orçada em 577.098 euros, é financiada pelo Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos (POSEUR) e consiste na instalação de uma rede de faixas de gestão de combustíveis – primária e secundária – planeadas no âmbito do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI) e que abrange várias freguesias do concelho, numa área de 315,52 hectares”.

Trata-se de um investimento extremamente importante. O risco de incêndio é fortemente reduzido se for atacado na primeira hora. Por isso, são fundamentais os acessos e é fundamental ter uma rede de circulação que permita este tipo de acessibilidade”, afirmou o vice-presidente da câmara, Guilherme Lagido, citado naquela nota.

Aumentar a resiliência do território ao risco de incêndio, diminuir a área percorrida por grandes incêndios, criar oportunidades de apoio ao combate, alterar o regime de fogo do concelho e, ainda, a recuperação silvo pastoril são os objetivos da empreitada.

Para Guilherme Lagido, o concurso público, aprovado na última reunião do executivo, reveste-se de “extrema importância” por “permitir melhorar a capacidade de reação em caso de catástrofe”.

A empreitada florestal “visa executar a instalação de 89,37 hectares de rede primária de faixas de gestão de combustível e 226,15 hectares de rede secundária em terrenos baldios e da propriedade das juntas de freguesia”.

As freguesias de Arga (Arga de São João, Arga de Cima e Arga de Baixo), Lanhelas, Seixas, Vilar de Mouros, Argela, Dem, freguesia de Gondar e Orbacém, Riba de Âncora, Âncora, Azevedo, Vilarelho e Vila Praia de Âncora serão abrangidas pela intervenção.