Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

“Houve falhas” no SIRESP. Comandantes dos bombeiros contrariam relatório divulgado pelo Governo

762

"Houve falhas" no SIRESP dizem os comandantes dos Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera e de Pedrógão Grande, que assim colocam em causa o relatório divulgado pelo Governo.

Segundo o comandante de Castanheira de Pera, terá havido "sobrecarga" dos canais

PAULO CUNHA/LUSA

Os comandantes dos Bombeiros Voluntários de Castanheira de Pera e de Pedrógão Grande contrariam a entidade operadora do SIRESP e sublinham que “houve falhas” no sistema durante o combate ao incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande e que provocou 64 mortos.

“É lógico que houve falhas”, disse à agência Lusa José Domingues, comandante de Castanheira de Pera, reagindo ao relatório de desempenho do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), que concluiu que “não houve interrupções no funcionamento da rede” do sistema de comunicações durante o incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande (distrito de Leiria), mas que se registaram “situações de saturação”.

Segundo o comandante de Castanheira de Pera, terá havido “sobrecarga” dos canais ou a própria “falha das redes” levou às dificuldades de comunicação. “Só ao fim de quatro, cinco ou seis insistências é que conseguíamos comunicar com os operacionais ou com o posto de comando”, frisou José Domingues, referindo que o sistema devia estar preparado para a quantidade de comunicações realizadas durante o combate às chamas que afetaram o interior norte do distrito de Leiria.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Pedrógão Grande, Augusto Arnaut, também garantiu à agência Lusa que “houve falhas” no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP). “Eu já reportei a quem de direito. Passados dois dias, reportei a quem de direito”, afirmou Augusto Arnaut, depois de questionado sobre o funcionamento do SIRESP.

O comandante dos Bombeiros Voluntáris de Pedrógão Grande não se quis alongar mais em considerações sobre o funcionamento do SIRESP, limitando-se a reafirmar que reportou a situação “a quem de direito”.

O relatório de desempenho do SIRESP, publicado esta terça-feira no portal do Governo, diz, contudo, que “a informação apresentada permite concluir que não houve interrupção no funcionamento da rede SIRESP, nem houve nenhuma estação base que tenha ficado fora de serviço em consequência do incêndio”.

“A informação apresentada permite concluir que não houve interrupção no funcionamento da rede SIRESP, nem houve nenhuma estação base que tenha ficado fora de serviço em consequência do incêndio”, refere o relatório de desempenho do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), publicado hoje no portal do Governo.

No entanto, a fita do tempo das comunicações registadas pela Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) revela falhas “quase por completo” nas primeiras horas do incêndio em Pedrógão Grande, “impedindo a ajuda às populações”. A fita do tempo “resulta do Sistema de Apoio à Decisão Operacional (SADO) da ANPC, uma espécie de caixa negra que permite registar a sequência ordenada dos principais acontecimentos e decisões operacionais.

Os registos foram disponibilizados ao primeiro-ministro no dia 23, um dia depois de a ANPC ter enviado a António Costa as primeiras explicações sobre as falhas nos incêndios.

“No primeiro documento era já deixado de forma clara que a rede SIRESP tinha falhado durante quatro dias.”

O primeiro registo da fita do tempo é das 19h45 de sábado, hora em que começaram os problemas na rede de comunicações. Segundo esta, foi nestas primeiras horas que existiram vários pedidos de ajuda de pessoas cercadas pelo fogo, a que os comandos operacionais não conseguiram dar resposta imediata, devido às falhas nas comunicações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)