Ciência

O que acontece ao seu cérebro se não dormir? Este é o maior estudo sobre sono e cognição

7.537

Investigadores da Universidade de Western, no Canadá, estão a fazer um estudo sobre como a falta de sono afeta o nosso cérebro. Qualquer pessoa pode participar. Como? Online, claro.

Adrian Owen, neurocientista do Instituto do Cérebro e Mente de Ontário, lançou o maior estudo de sono e cognição do mundo

Matt Cardy/Getty Images

Investigadores da Universidade de Western, no Canadá, estão a fazer um estudo para avaliar como a falta de sono afeta o nosso cérebro. Mas esta pesquisa tem uma particularidade: a equipa quer que pessoas em todo o mundo participem nos seus testes. Como? Online, claro.

Problemas cardíacos, obesidade ou diabetes são algumas das doenças físicas ligadas a ausência de descanso. A falta de sono é um problema cada vez mais atual e global que, além de influenciar a produtividade, pode prejudicar significativamente a saúde. Mas, para perceber melhor como o sono e a sua privação afetam zonas específicas do nosso cérebro, Adrian Owen, neurocientista do Instituto do Cérebro e Mente de Ontário, no Canadá, lançou o maior estudo de sono e cognição do mundo.

Sabemos que a interrupção do sono afeta-nos de algumas maneiras, e que há pessoas que sentem o impacto mais do que outras. Mas, surpreendentemente, há poucas pesquisas sobre como os nossos cérebros lidam com essa privação de sono”, afirma Adrian Owen.

O estudo, lançado esta semana, pede aos participantes que iniciem sessão num site criado por neurocientistas, e que monitorizem os seus sonos durante três dias. Durante este período, a atividade cerebral dos voluntários será avaliada através de jogos e testes, que podem ser feitos através do computador, tablet ou smartphone. Segundo Adrian Owen, os investigadores pretendem perceber que quantidade de sono é “suficiente”, como a saúde do cérebro é moldada, a curto e a longo prazo, pela privação do sono, ou ainda se atinge da mesma forma pessoas de idades e trabalhos diferentes. “Neste estudo temos oportunidade de aprender muito mais sobre a resposta cerebral ao sono do que alguma vez tivemos. E o que aprendemos tem potencial para mudar a forma como milhões de pessoas vivem o seu quotidiano“, refere.

Depois de três dias de testes, os participantes podem ter acesso aos seus valores de sono e desempenho e comparar com os de outros voluntários. Estes dados de sono e cognição serão analisados com a intenção de partilhar os resultados dentro de seis meses.

Dormir é tão essencial como comer ou respirar, mas é frequente colocarmos essa necessidade em segundo, terceiro ou quarto lugar “devido à maneira como as exigências do trabalho aumentaram, a par e passo com a tecnologia e a forma como isso nos permitiu estar conectados ao nosso trabalho 24 horas por dia e sete dias por semana”, explicou Arianna Huffington, autora do bestseller norte-americano ‘A Revolução do Sono’, ao Observador, em janeiro.

O estudo é monitorizado pela Cambridge Brain Sciences, uma plataforma online líder em saúde cerebral, com mais de sete milhões de testes realizados por pessoas em mais de 75 países. “A Internet forneceu esta oportunidade sem precedentes de envolver o público nas pesquisas científicas, pesquisas essas que podem extrair uma mina de ouro de dados sobre o sono e o cérebro aos quais nunca tivemos acesso”, explicou Owen, que também é diretor científico da iniciativa BrainsCAN.

O Owen Lab está também a desenvolver novas definições das causas e consequências da memória, perceção e raciocínio em pessoas saudáveis e em pessoas com doenças neurodegenerativas. Este laboratório permite ainda que se faça um relatório sobre a saúde do nosso cérebro, “através de testes divertidos e válidos cientificamente” e “em menos de dez minutos”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
1.144

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Medicina

O perigo da ilusão da credibilidade na opinião

João Júlio Cerqueira e Miguel Mealha Estrada
1.717

Não existe uma medicina e uma medicina alternativa, nem uma realidade e uma realidade alternativa. Só há uma medicina, a que funciona. E uma realidade, a que os terapeutas alternativos teimam em negar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)