Há quem defenda que beber álcool e conduzir é perigoso, já fumar marijuana não faz mal a ninguém. Mas um estudo prova que nos estados americanos onde foram legalizadas as drogas leves houve um incremento do número de acidentes.

O trabalho em causa incidiu sobre os estados do Colorado, Oregon e Washington e foi realizado pelo Highway Loss Data Institute (HLDI), visando determinar a evolução do número de colisões envolvendo automóveis, comparados com os estados vizinhos, em que a marijuana não foi legalizada. Mas não se pense que os habitantes do Colorado, por exemplo, são uns “agarrados” à canábis, que passam a vida a ver tudo às cores com aquele sorriso na face, típico de quem não fuma apenas tabaco. Nada disso.

Em causa está a legalização da compra de marijuana, a partir de Janeiro de 2014, para indivíduos com mais de 21 anos, que passaram igualmente a poder ter na sua posse um pouco mais de 28 g (1 onça) de erva, sem infringir a lei. Mas atenção, a lei permite adquirir e possuir marijuana, mas não conduzir veículos depois de fumar uns charros e com as faculdades diminuídas. Um pouco à semelhança do que acontece com álcool, em relação ao qual a lei admite que se beba uma imperial antes de conduzir, mas não um litro de cerveja. Ou dois.

Os resultados coligidos pelo HLDI permitiram concluir que, no Colorado, o número de acidentes aumentou mais 14% do que nos estados vizinhos, em que as drogas leves não foram legalizadas. Percentagem que foi de 6% em Washington e 4% no Oregon, provando que as gentes do Colorado são quem gosta de conduzir depois de fumar um charro, ou mesmo durante.

Mas as surpresas em relação à liberalização de drogas leves, nos três primeiros estados que aderiram à iniciativa, não ficam por aqui, uma vez que recentemente surgiu um outro relatório sobre o tema, produzido pela Universidade de Columbia. Neste caso, os dados permitem concluir que, se por um lado há mais acidentes, por outro há menos mortos.