Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A polícia metropolitana de Londres, mais conhecida por Met, divulgou o ‘ranking‘ das dez chamadas mais bizarras que recebeu durante o passado ano. Esta iniciativa tem por objetivo alertar a população para a necessidade de não utilizar o número de emergência britânico (999) sem que haja realmente uma urgência.

Na passada semana, a rainha Isabel II inaugurou o ano parlamentar numa cerimónia que é conhecida como “Discurso da Rainha”. Este ano, houve uma alteração no protocolo do evento e a rainha, em vez de viajar num coche, foi transportada, ao lado do seu filho Carlos, na parte de trás de um enorme Bentley. Enquanto a Isabel II desfrutava da sua viagem, a polícia de Yorkshire, no extremo oposto da cidade, recebeu uma chamada de emergência de um cidadão a reportar que a rainha não estava a usar o cinto de segurança.

Não nos cansamos de repetir que o 999 é só para emergências”, lamenta a polícia de Yorkshire.

O site do Palácio Real, em resposta à denúncia, assegurou que a rainha tem o “cuidado de garantir que todas as atividades são realizadas à luz da lei”. Mesmo que fosse autuada pelo incumprimento do código da estrada, Isabel II ficaria isenta de pagar multa, já que goza de imunidade perante processos civis e criminais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Do engraçado ao estapafúrdio

Uma mulher ligou para o 999 a queixar-se de que um palhaço de rua lhe tinha cobrado 5 libras por um balão, alegando que “era muito mais caro do que aquilo que os outros palhaços pedem“.

Outra mulher achou pertinente reportar ao serviço de urgência que lhe tinha sido vendido um kebab frio e que os funcionários do estabelecimento se recusaram a trocá-lo por outro que estivesse quente.

Mas as emergências policiais também já receberam chamadas às quatro da madrugada para responderem a um cidadão intrigado sobre o sítio onde poderia comprar a melhor sanduíche com bacon.

Alguém ligou ao 999 porque na lavandaria do seu bairro estava uma moeda de 50 cêntimos preso na ranhura da máquina de lavar.

Outra pediu que a polícia lhe desse uma boleia para o aeroporto de Heathrow, já que o seu despertador não tinha tocado e ela ia perder o seu voo.

A polícia londrina também afirma ser comum receber chamadas de condutores angustiados porque se acendeu a luz da reserva de combustível.

Outra situação: uma rapariga ligou à polícia porque estavam dois homens na porta da sua casa que a queriam levar… Ela estava certa, já que estavam dois oficiais na sua residência para a deter.

Estes são pequenos exemplos das muitas chamadas inapropriadas que recebemos. Isto é um problema, porque o tempo que perdemos a atendê-las pode impedir-nos de não atender urgências reais”, advertiu a Met.