Rádio Observador

Presidente Trump

Trump ataca jornalistas da MSNBC no Twitter

Trump acusou o programa "Morning Joe", da MSNBC, de "falar mal" dele e ter "baixo-nível". Depois, acrescentaria que rejeitou encontrar-se com a apresentador por estar a "sangrar da cara".

Molly Riley-Pool/Getty Images

Não é a primeira vez que o presidente dos Estados Unidos usa o Twitter para criticar jornalistas — e não só. Provavelmente não será a última. Mas desta vez a publicação de Donald Trump está a gerar indignação no país, sobretudo por causa do tom agressivo com que se dirige à apresentadora Mika Brzezinski.

Tudo aconteceu na manhã desta quinta-feira. Pouco depois de o programa “Morning Joe”, da MSNBC, começar a ser emitido, Trump escreveria que aquele programa de “baixo-nível” estava a “falar mal” dele em direto. Mais, acrescentaria Trump: “Não assistam [ao “Morning Joe”]!”

Depois de criticar o programa, Donald Trump resolveu, noutra publicação que fez em seguida, pessoalizar as criticas. Escreveu Trump que Joe Scarborough e Mika Brzezinski o convidaram para uma conversa no dia de Ano Novo no resort de trump em Mar-a-Lago. “Não aceitei”, escreve. Porquê? “Ela [Mika Brzezinski] estava a sangrar abundantemente por causa de um lift facial [operação plástica].”

Não tardaria a que a CNN — recorrendo à ata do encontro — desmentisse o presidente: não só Trump aceitou o convite da MSNBC, como os três mantiveram uma conversa em privado em em Mar-a-Lago. Mais: Brzezinski não havia sido submetida a qualquer cirurgia — pelo que não estava a “sangrar abundantemente”.

Embora Trump garanta que não é espectador de um programa de “baixo-nível” como o “Morning Joe”, a CNN escreve que é. E não só do programa da MSNBC, mas de todos os programas de política norte-americanos emitidos de manhã, dos da Fox News aos da CNN. Em algumas ocasiões o presidente dos Estados Unidos chega mesmo a receber os convidados pro-Trump destes programas para os congratular pelas opiniões favoráveis que partilharam sobre ele.

As reações (mais ou menos oficiais) não tardariam. Mika Brzezinski optou por (também via Twitter) publicar uma fotografia onde se pode ler “feito para mãos pequenas”, numa clara referência à campanha presidencial de Trump. Em março do ano passado o candidato republicano Mark Rubio diria de Trump num comício no estado norte-americano da Virginia: “Ele [Trump] mede para aí um metro e noventa. E é por isso que não entendo como tem as mãos de alguém que mede um metro e sessenta. E sabem o que dizem sobre homens com mãos pequenas? Não se pode confiar neles”.

Por sua vez, o presidente-executivo da NBC News e da MSNBC, Mark Kornblau escreveria: “Nunca imaginei o dia em que eu pensaria para mim mesmo: ‘Está abaixo da minha dignidade responder ao presidente dos Estados Unidos'”. Em comunicado, o porta-voz da estação norte-americana endureceria mais ainda o tom da resposta: “É um dia triste para os Estados Unidos quando o presidente passa o seu tempo a fazer ‘bullying’, mentindo e vomitando pequenos ataques pessoais em vez de fazer seu trabalho”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)