França

Morreu Simone Veil, primeira mulher presidente do Parlamento Europeu

921

Morreu Simone Veil, sobrevivente do Holocausto, primeira mulher presidente do Parlamento Europeu e antiga ministra da Saúde francesa, que despenalizou o aborto em 1975. Tinha 89 anos.

KENZO TRIBOUILLARD/AFP/Getty Images

Simone Veil, a primeira mulher presidente do Parlamento Europeu e antiga ministra da Saúde francesa, que despenalizou o aborto em 1975, morreu esta sexta-feira. Tinha 89 anos.

O anúncio foi feito pelo filho da antiga governante, Jean Veil, avança o Le Figaro. “A minha mãe morreu esta manhã em casa. Faria 90 anos a 13 de julho”.

Nascida em Nice em 1927, Simone Veil cresceu numa família burguesa com o irmão e duas irmãs. Em 1944, a família foi deportada para os campos de concentração. Na altura com 16 anos, foi detida pelos alemães a 30 de março, um dia depois de ter feito o exame de acesso ao ensino superior. Chegou a Auschwitz-Birkenau, com a irmã Madeleine e a mãe, a 15 de abril de 1944.

Apenas Simone e as duas irmãs, Madeleine e Denise, sobreviveram ao Holocausto — das 400 crianças judias deportadas daquela região, sobreviveram apenas 11, entre elas as três irmãs, refere o jornal britânico The Guardian. A mãe morreu de tifo e o pai e o irmão, Jean, também não sobreviveram.

Ao recordar essa época, dizia que tinha sido a sua beleza a salvá-la: “Fui protegida por uma mulher kapo, que me disse: ‘És demasiado bonita para morrer aqui’. E enviou-me, com a minha mãe e irmã, para um campo vizinho, com um regime menos duro.”, conta Veil, citada pelo Libération.

Depois da guerra, prosseguiu os seus estudos na Faculdade de Direito e no Instituts d’Études Politiques, em Paris, onde conheceu Antoine Veil, com quem casou em 1946. Tinha 19 anos.

Depois de muita insistência com o marido, que não queria que ela trabalhasse, refere o Libération, tornou-se magistrada. Mãe de três filhos, fez carreira no Ministério da Justiça, acabando por integrar o Conselho Superior de Magistratura em 1970.

Quatro anos depois, Valéry Giscard d’Estaing, na altura Presidente francês, nomeou-a ministra da Saúde, tornando-se o rosto da luta pela lei da despenalização da interrupção voluntária da gravidez — uma das promessas eleitorais de Giscard d’Estaing.

Em 1975, foi publicada a lei da despenalização do aborto, que ficou conhecida como “Loi Veil” (Lei Veil, em português). Dois anos antes, já tinha conseguido que a pílula contraceptiva não só fosse autorizada como reembolsada pela Segurança Social, refere o Guardian.

Questionada por um jornalista se se considerava feminista, Veil afirmou sentir-se solidária por todas as mulheres. “Eu não sou uma militante na alma, mas sinto-me feminista, muito solidária com as mulheres, sejam elas quem forem… Sinto-me mais segura com mulheres, talvez por causa da deportação? No campo, a sua ajuda era sem interesse, generosa, ao contrário da dos homens. E a resistência do sexo dito fraco também era maior”, afirmou.

Em 1979, torna-se na primeira mulher presidente do Parlamento Europeu, mas não se recandidata ao cargo. O ex-presidente da Comissão Europeia Jacques Delors, eleito ao mesmo tempo que Veil para o Parlamento Europeu, não lhe poupou elogios: “Simone Veil, durante a sua presidência, provou ter uma qualidade rara: o discernimento.”.

Volta ao governo francês em 1993, quando o antigo primeiro-ministro Édouard Balladur a nomeia ministra de Estado, com as pastas da Saúde, Assuntos Sociais e Cidades, cargo que ocupa durante dois anos.

Entre 2000 e 2007, foi presidente da Fundação para a Memória da Shoah em França. Um ano mais tarde, torna-se na sexta mulher eleita para a Academia francesa. Em 2008, juntamente com o antigo secretário-geral da ONU, Kofi Annan, receberam o prémio Norte-Sul de Direitos Humanos do Conselho da Europa. Um prémio atribuído por Cavaco Silva, numa cerimónia que teve lugar em Lisboa, lê-se no Público.

Simone Veil foi ainda curadora da Fundação Champalimaud.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rporto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)