A coordenadora do BE, Catarina Martins, anunciou, este sábado, que o partido vai propor uma dotação no Orçamento do Estado para 2018 para concretizar um “programa urgente na floresta” que, entre outras medidas, duplique as equipas de sapadores florestais.

Em declarações aos jornalistas no final da Mesa Nacional do BE, a dirigente do partido não quis especificar o valor total deste programa, do qual já deu conhecimento ao Governo mas para o qual ainda não existe acordo, mas salienta que “não será um pormenor”.

“Aguardamos que, no âmbito das negociações, possamos chegar a um valor, mas não podemos fazer de conta que é um pormenor do orçamento”, disse Catarina Martins, alertando que cada vez que o Estado tenta poupar na prevenção gasta “muito mais” no combate aos incêndios.

O BE sugere ainda que este programa poderia ser negociado com Bruxelas como uma medida irrepetível (“one off”), de forma a não ser contabilizada para o défice.

“O BE não tem a postura de achar que temos de cumprir metas que achamos irrazoáveis, mas sabemos que o PS considera importante essa negociação em Bruxelas”, justificou.

Além da duplicação das equipas de sapadores florestais, este programa incluiria a reativação dos serviços florestais e do corpo de guardas florestais bem como a gestão do combustível e a abertura de uma rede primária de defesa dos pontos mais críticos da floresta até maio de 2018.