Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Para o renascimento da Alpine, a Aliança Renault-Nissan criou não só um novo modelo, o A110 dos tempos modernos, como um novo motor TCe com 1.798 cc de capacidade. Uma unidade que, no desportivo francês, oferece 252 cv, e agora é introduzida na gama da Renault através do Espace, numa mais “domada” variante de 225 cv e 300 Nm, mais condicente com a vocação de monovolume/crossover do modelo.

Entre os principais atributos desta unidade motriz encontram-se a bomba de óleo de cilindrada variável (para reduzir o consumo sem perdas de eficiência ao nível da lubrificação), os pistões com revestimento DLC e BSC (para redução do atrito), a admissão de ar de geometria variável e a gestão controlada da temperatura nas câmaras de combustão. E ainda o turbocompressor Twin Scroll de dupla entrada com válvula wastegate eléctrica, a distribuição variável sobre a admissão e o escape, e os injectores de oito orifícios, que funcionam a uma pressão de 200 bar.

O novo Espace TCe 225 substitui a anterior versão TCe 200, e oferece um ganho de potência e binário de 12,5% e 15%, respectivamente, traduzido numa potência de 225 cv às 5.600 rpm, e num binário máximo de 300 Nm, disponível de forma constante entre as 1.500 rpm e as 5.000 rpm.

A única transmissão disponível é a caixa pilotada EDC de dupla embraiagem e sete velocidades, anunciando a marca do losango para este modelo uma aceleração 0-100 km/h cumprida em apenas 7,6 segundos e uma velocidade máxima de 224 km/h, para um consumo combinado de 6,8 l/100 km (somente 0,1 l/100 km mais do que no anterior Espace TCe 200).

Em Portugal, o Espace TCe poderá ser associado aos dois níveis de equipamento disponíveis na gama, Zen e Initiale. As vendas arrancam em Setembro, com um preço de entrada de 46.330€ para a variante Zen.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR