Os blocos de partos dos hospitais de Aveiro e Guimarães estão encerrados esta segunda-feira devido ao protesto dos enfermeiros especialistas contra a falta de pagamento desta especialidade, disse hoje a Bastonária da Ordem dos Enfermeiros.

Ana Rita Cavaco adiantou que outros blocos de partos não encerraram, mas estão a funcionar com enfermeiros tarefeiros ou apenas com médicos. A bastonária deslocou-se hoje ao hospital Amadora Sintra, em Lisboa, onde estará apenas a trabalhar um enfermeiro tarefeiro, dado que 21 dos 23 enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia se escusam a prestar esta especialização.

Para Ana Rita Cavaco esta situação “põe em causa a segurança da mãe e das crianças”. A bastonária lançou um apelo ao Presidente da República, referindo que as “ordens da saúde já pediram ajuda, porque o país não pode continuar a ignorar que a saúde tem problemas graves de segurança”.

Esta situação [dos enfermeiros especialistas] é uma vergonha para o ministro da Saúde, para o Governo e até o primeiro-ministro está calado”, salientou.

Os enfermeiros especialistas recusam-se, a partir desta segunda-feira, a prestar cuidados diferenciados, como protesto contra o não pagamento desta especialização, devendo os blocos de parto ser a área mais visível desta contestação.

Segundo a Ordem dos Enfermeiros, que apoia os profissionais neste protesto, existem cerca de 2.000 enfermeiros que, apesar de serem especialistas, recebem como se prestassem serviços de enfermagem comum.