O governo britânico foi notificado da possibilidade de uma visita-relâmpago de Donald Trump ao Reino Unido. O presidente norte-americano pode fazer uma visita a Londres e ao seu campo de golfe na Escócia. Mas, se o fizer, pode contar com fortes protestos na receção.

Já no mês passado uma visita de estado formal foi adiada para não ser afetada por protestos em massa. Mas os manifestantes estão prontos para pegar nos cartazes e entrar em ação com pouco (ou nenhum) aviso prévio. Fontes do governo, citadas pelo The Guardian, confirmam que o presidente norte-americano fará uma visita ao país, algures entre a reunião do G20, na Alemanha, e as celebrações do Dia da Bastilha (14 de julho), em França.

Seria de esperar que Trump visitasse Londres para uma reunião informal com a primeira-ministra, Theresa May. Contudo, essa confirmação só deverá ser dada com 24 horas de antecedência para evitar confusão.

Theresa May convidou Donald Trump a visitar o Reino Unido apenas sete dias depois da tomada de posse do republicano, em janeiro. Na altura, foi a primeira líder estrangeira a visitá-lo na Casa Branca. Pouco depois, em fevereiro, membros do parlamento britânico, ativistas e membros sindicais uniram-se para garantir que iriam montar a maior manifestação na história do Reino Unido caso Trump fizesse uma visita de Estado.

No início de junho, logo após as eleições no Reino Unido, veio ao de cima que Trump teria recusado uma visita oficial até “ser aceite pelo público” britânico, receando protestos em larga escala.