A Alemanha deve estar preparada para ser alvo de mais ataques terroristas no seu território considerando o número de potenciais militantes de movimentos radicais islâmicos, alertaram esta terça-feira responsáveis dos serviços de segurança alemães, que prometeram intensificar o esforço para julgar, condenar e deportar todos os potenciais terroristas.

É um aviso preocupante, num país que tem vindo a ser cada vez mais alvo de ataques terroristas. Hans-Georg Maassen, presidente da BfB, a agência responsável pela segurança interna da Alemanha, disse que há cada vez mais informação que aponta nesse sentido, e cada vez mais preocupação das populações.

“Temos de esperar mais ataques por grupos terroristas ou indivíduos. (…) O terrorismo islâmico é o maior desafio que a BfV enfrenta e vemo-lo como uma das maiores ameaças à segurança interna da Alemanha”, afirmou, perante os jornalistas alemães, citado pela Reuters.

Só no ano passado houve cinco ataques por terroristas islâmicos em território alemão. O mais mortífero aconteceu em dezembro, quando um homem usou um camião para atacar um mercado de natal em Berlim, onde morreram doze pessoas.

Segundo este responsável, para além dos cinco ataques concretizados, foram evitados pelos serviços de segurança outros sete.

O relatório anual da BfV estima que vivem na Alemanha 24.400 islamitas, dos quais 9700 são salafistas (um número que aumentou para 10.100 este ano). O número total de islamitas até diminuiu, face a 2015, mas os serviços de segurança dizem que isso não fez com que a ameaça diminuísse.