Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há estruturas romanas que se mantém misteriosamente firmes há mais de dois mil anos. Cientistas da Universidade do Utah, nos Estados Unidos, descobriram agora o segredo do cimento romano e porque é que é mais resistente do que o cimento atual.

Os romanos construíram pontes, portos, paredões e outras grandes estruturas que ainda se mantém em pé e estão a ficar cada vez mais fortes. A receita é simples: cinza vulcânica, cal, água do mar e pedaços de rocha vulcânica. Os cientistas garantem que esta combinação torna o material mais forte à medida que o tempo passa.

Tudo graças à água do mar que reage com o material vulcânico e criar novos minerais que reforçam a estrutura do cimento. “Eles trabalharam imenso nesta técnica – eram pessoas muito, muito inteligentes”, explica Marie Jackson, uma geóloga da Universidade do Utah, e uma das responsáveis por este estudo.

Jackson explica que os romanos tinham noção das qualidades do seu cimento e que os textos antigos o provam. Plínio, o Ancião, escreveu que o cimento romano era “impenetrável para as ondas e cada dia mais forte”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E agora sabemos porquê. A equipa de Jackson descreve no “American Mineralogist” como foram analisados os núcleos do cimento romano em variadas estruturas: pilares, paredões e portos. Estudos anteriores já tinham descoberto partículas de cal nestes núcleos que, por sua vez, continham minerais aluminosos – substâncias raras e difíceis de criar mesmo nos dias de hoje.

O que aconteceu foi que a água do mar reagiu com os resíduos vulcânicos e foi selando qualquer racha que aparecesse. No fundo, sempre que o cimento enfraquecia, reforçava-se naturalmente.

Isto abre portas a novas soluções para os materiais de construção que utilizamos atualmente. O cimento das nossas casas cede ao fim de uns anos e precisa de ser reforçado, como explica Jackson: “Há muitas aplicações práticas mas é preciso trabalhar e investigar mais para criar o mix perfeito. O desafio é criar métodos que utilizem produtos vulcânicos – e é nisso que estamos focados”.