Estados Unidos da América

Bloqueio de Trump a portáteis não se aplica a todos os voos entre Médio Oriente e EUA

A Etihad, a Emirates e a Turkish Airlines convenceram as autoridades norte-americanas a levantar a proibição eletrónica de aparelhos de maiores dimensões em alguns voos precedentes do Médio Oriente.

SEDAT SUNA/EPA

Em março, os EUA proibiram computadores portáteis, tablets e outros aparelhos informáticos de maiores dimensões na bagagem de mão em voos precedentes de alguns aeroportos do Médio Oriente — Jordânia, Kuwait, Egito, Turquia, Arábia Saudita, Marrocos, Qatar e Emirados Árabes Unidos –, mas há companhias áreas que conseguiram contornar a proibição, segundo a BBC.

Os passageiros que voam pela companhia aérea Etihad, de Abu Dhabi para os EUA, têm podido utilizar aparelhos maiores, como computadores portáteis, durante as viagens. Tudo porque conseguiu convencer as autoridades norte-americanas de que fariam “inspeções reforçadas” aos passageiros. Por semana, há 45 voos que partem de Abu Dhabi para seis aeroportos dos EUA.

Também a Emirates Airlines conseguiu contornar a imposição norte-americana nos voos que saem do Dubai. A companhia aérea esteve a negociar com as autoridades dos EUA novas medidas de segurança nos voos que partem daquele aeroporto. “A proibição eletrónica foi levantada com efeito imediato nos voos que partem do aeroporto internacional do Dubai para os EUA”, afirmou uma porta-voz da empresa.

Do aeroporto do Dubai, saem voos da Emirates para 12 cidades norte-americanas. A companhia aérea agradeceu “a paciência e compreensão dos passageiros durante os últimos meses”.

A Turkish Airlines também já informou os seus passageiros que, a partir desta quarta-feira, os aparelhos eletrónicos voltavam a ser permitidos na bagagem de mão. A imprensa turca diz que, na terça-feira, foram vistos agentes das autoridades britânicas e norte-americanas no aeroporto de Istambul e sabe-se que o aeroporto começou a utilizar aparelhos de tomografia sofisticados para a verificação raio-x de segurança.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Mundial 2018

O dia em que o Panamá marcou um golo /premium

Bruno Vieira Amaral

É incrível como um jogo sem história – tal a diferença entre as duas equipas – acaba por ser histórico. Essa é uma das magias do Mundial, a dos pequenos prazeres estatísticos que proporciona.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)