O PS chumbou esta quarta-feira sozinho a resolução apresentada pelo BE para que o Governo denuncie o contrato de parceria público privada do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP).

As bancadas do PSD e do CDS-PP, que durante o debate criticaram a iniciativa do BE por incidir sobre a questão da propriedade pública ou privada deste sistema de comunicações, optaram pela abstenção. Além do Bloco de Esquerda, esta resolução teve os votos favoráveis do PCP, de “Os Verdes” e do PAN (Pessoas Animais e Natureza).

Durante o debate, o Bloco de Esquerda justificou a necessidade de o Governo denunciar imediatamente o contrato com o consórcio privado do SIRESP por estarem “comprovadas as falhas de funcionamento” deste sistema de comunicações ao longo de mais de dez anos de vigência e não apenas no combate ao incêndio de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, em junho passado, tragédia da qual resultaram 64 mortos.

O PS, por sua vez, durante o debate, alegou que primeiro é preciso aguardar-se pelos resultados dos diferentes inquéritos em curso sobre as causas do incêndio de Pedrógão Grande. Para a bancada socialista, só a partir do conhecimento das conclusões que constarão nos diferentes relatórios será útil tomarem-se medidas em relação ao SIRESP, bem como no que diz respeito a outras áreas da prevenção e combate a incêndios florestais.

No plano político, o PSD e o CDS-PP acusaram o BE de apresentar uma iniciativa para “fingir ser oposição ao Governo”, com o líder parlamentar do Bloco de Esquerda, Pedro Filipe Soares, a contrapor com as responsabilidades desde 2004 de anteriores membros de executivos sociais-democratas, democratas-cristãos e socialistas para a existência do SIRESP.