Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Museu de Lisboa no Campo Grande vai receber, a partir de 8 de julho, uma exposição dedicada às máscaras mexicanas, que pretende mostrar uma perspetiva alargada sobre o imaginário popular mexicano. Comissariada por Anthony Shelton, antropólogo de renome internacional e colecionador de máscaras mexicanas que há muito trabalha no México, Do Carnaval à Luta Livre. Máscaras e Devoções Mexicanas surge no âmbito da programação “Passado e Presente” — Lisboa, Capital Ibero-americana de Cultura 2017 e ficará patente no Palácio Pimenta até 1 de outubro.

A mostra inclui cerca de 250 máscaras, feitas nos séculos XX e XXI, de diferentes tipologias, filmes, banda desenhada, posters e fotografias de Lourdes Grobet, que retratou alguns lutadores de luta livre mexicanos e as suas famílias, conhecidos por taparem as suas caras com máscaras coloridas. As máscaras, uma antiga tradição mexicana, são parte integrante da identidade nacional, e são usadas tanto em festivais religiosos como em protestos públicos e na luta livre.

11 fotos

Diferentes de região para região, muitas são resultado dos confrontos entre várias culturas indígenas mas também europeias e africanas. Algumas representam mouros, cristãos, outras apaches, aztecas e espanhóis, como mostra a coleção que será exibida no Museu de Lisboa. Há mascaras cerimoniais de animais, como tigres, serpentes e morcegos, mas também de figuras mitológicas, sereias e diabos. A sua origem perde-se no tempo, mas são ainda hoje construídas para venda e uso nas festividades que são celebradas um pouco por todo o país.

Do Carnaval à Luta Livre. Máscaras e Devoções Mexicanas inclui uma secção dedicada à luta livre, um desporto muito popular no México. Além de máscaras e documentação vária, a mostra inclui ainda documentários e fotografias. O objetivo é aproximar o público “dos criadores, construtores e utilizadores de máscaras, assim como dos lutadores e do seu contexto social”, de acordo com informação disponibilizada sobre a exposição, dois grupos onde é bem visível “o modo tão particular como desenvolvem a sua relação com o sobrenatural”.

A exposição Do Carnaval à Luta Livre. Máscaras e Devoções Mexicanas é inaugurada este sábado, às 17h, no Museu de Lisboa — Palácio Pimenta. No dia seguinte, domingo, haverá uma mesa redonda (às 17h) com o curador Anthony Shelton e a antropóloga Nicky Levell. A mostra pode ser visitada de terça a domingo, das 10h às 18h (a última entrada é às 17h30). O bilhete custa 3 euros.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR