Rádio Observador

Exames Nacionais

Identificada professora suspeita de ter divulgado exame de português

3.943

A professora que terá divulgado as informações relativas ao exame nacional de português que circularam nas redes sociais já foi identificada pelas autoridades, revela o semanário Expresso.

JOAO ABREU MIRANDA/LUSA

Já foi identificada a professora suspeita de ter divulgado informações sobre o exame nacional de português do 12.º ano, escreve este sábado o semanário Expresso. Segundo o jornal, a origem da fuga de informação é uma professora de uma escola pública da Grande Lisboa que está envolvida na preparação dos exames nacionais.

A docente dá explicações a alunos do ensino secundário, e terá sido numa dessas sessões de explicações que as informações relativas ao exame foram divulgadas. Na altura, uma aluna divulgou um ficheiro áudio através da rede social WhatsApp em que descrevia algumas das informações que tinha obtido pela explicadora de uma amiga:

Ó malta, falei com uma amiga minha cuja explicadora é presidente do sindicato de professores — uma comuna — e diz que ela precisa mesmo, mesmo, mesmo e só de estudar Alberto Caeiro e contos e poesia do século XX. Ela sabe todos os anos o que sai e este ano inclusive. E pediu para ela treinar também uma composição sobre a importância da memória…”, ouve-se no ficheiro áudio.

De acordo com o Expresso, já não é a primeira vez em que esta professora, que há vários anos faz parte do grupo que prepara a prova de língua portuguesa, está envolvida numa polémica do género. Já tinha havido, em anos anteriores, suspeitas não concretizadas de que a explicadora tinha informado os seus alunos da matéria a ser incluída no exame.

Os professores que fazem parte destas equipas estão sujeitos a um regime de confidencialidade que os impede de comunicar qualquer conteúdo incluído nos enunciados das provas nacionais. O Expresso revela que o processo de produção dos exames nacionais é altamente secreto: apenas cerca de 10 pessoas têm conhecimento do enunciado final e estão proibidos de levar o telemóvel para o local do IAVE (Instituto de Avaliação Educativa) em que é preparada a prova. São preparados três enunciados distintos para cada disciplina e ninguém sabe qual vai ser distribuído no dia da prova.

Até ao dia do exame, os exames são guardados em cofres da PSP e da GNR, depois de serem impressos pelo Ministério da Educação. No dia da prova, são transportados sob escolta policial para as escolas. Ainda assim, apesar de todas estas medidas de segurança, a verdade é que a informação sobre o conteúdo do exame acabou por ser transmitida a um grande conjunto de alunos.

O Ministério da Educação já veio, entretanto, garantir que o exame não vai ser anulado nem repetido. No entanto, caso seja confirmada a fuga de informação, os alunos que tenham sido beneficiados irão ser penalizados, assim como a pessoa que divulgou a informação, revelava na altura o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues.

Na altura, foi o professor Miguel Bagorro, docente da escola secundária Luísa de Gusmão, em Lisboa, que denunciou a gravação ao Ministério da Educação. Apenas fez a denúncia depois do exame, quando confirmou que o conteúdo da gravação correspondia efetivamente ao conteúdo do exame — isto porque todos os anos há circulação de boatos sobre os conteúdos dos exames. O IAVE encaminhou depois a denúncia para a Inspeção Geral de Educação e Ciência e para o Ministério Público.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)