O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, manifestou este domingo o seu apoio à reforma que está a ser realizada pelo Governo da Ucrânia e assegurou que o conflito no Leste deste país não foi esquecido pela ONU.

“Confirmo o nosso interesse em apoiar completamente o processo de reforma do Governo. Segui com muito interesse e atenção a Conferência de Londres e os importantes compromissos que foram alcançados”, afirmou Guterres, depois de se reunir com o Presidente ucraniano, Petro Poroshenko, segundo um comunicado.

A ONU junta-se assim a 30 países e várias instituições financeiras internacionais que esta semana expressaram o seu apoio à Ucrânia, numa conferência celebrada em Londres para promover as reformas internas neste país.

Os ucranianos “têm direito a viver em paz e prosperidade e com um respeito completo pela sua independência, soberania e integridade territorial”, defendeu o líder das Nações Unidas, que considerou fundamental o respeito pelos Acordos de Minsk, sobre o cessar-fogo.

Guterres sublinhou que a ONU “estará a acompanhar e pronta a apoiar todos os esforços, tanto dos Quatro da Normandia (França, Alemanha, Rússia e Ucrânia), como do grupo de contacto trilateral e da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE)”.

As Nações Unidas, assegurou, fará “tudo o que é possível para resolver esta crise que se prolonga há muito tempo”.

“Podem estar seguros de que é algo que mantemos na agenda. Não é uma situação esquecida”, disse o secretário-geral da ONU.

Neste sentido, o diplomata assinalou que o organismo internacional está preparado para “melhorar” a sua cooperação e presença, com o objetivo de apoiar o Governo ucraniano nas reformas que leve a cabo.

“Não estou aqui para dizer à Ucrânia quais as reformas que a Ucrânia deveria fazer”, indicou Guterres, mas para “estar à disposição” do seu executivo no processo de paz.

A Ucrânia é palco desde 2014 de um conflito armado entre separatistas pró-russos do leste do país e o exército ucraniano, que já fez mais de 10.000 mortos.

A negociação política do conflito encontra-se bloqueada há meses devido em grande parte a contínuas e reciprocas acusações de violações ao cessar-fogo.

Os Acordos de Minsk, assinados em fevereiro de 2015, contemplam uma trégua estável com a retirada do armamento pesado e a introdução de reformas políticas para possibilitar eleições regionais nas zonas controladas pelos rebeldes pró-russos.

Kiev sustenta que não é possível alcançar progressos nos aspetos políticos do plano de paz enquanto a Ucrânia não assumir o controlo da parte fronteiriça com a Rússia, atualmente nas mãos das milícias pró-russas.