Além de Fernando Rocha Andrade, João Vasconcelos e Jorge Oliveira, também Miguel Prata Roque, atual secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, vai deixar o executivo. A notícia foi esta noite avançada pela SIC Notícias e confirmada pelo Observador. De acordo com o Jornal de Negócios, o Governo está ainda a equacionar a possibilidade de a secretária de Estado da Administração Pública, Carolina Ferra, sair também, o que faria com que o Ministério das Finanças perdesse de uma só vez dois secretários de Estado que têm em mãos algumas das principais materiais em discussão no Orçamento do Estado para 2018: os escalões do IRS (Rocha Andrade) e o descongelamento de carreiras na Função Pública (Carolina Ferra).

A ideia é o primeiro-ministro aproveitar esta mini-remodelação para deixar sair aqueles que já tinham manifestado vontade para tal, estando apenas à espera de uma ocasião mais propícia para uma remodelação, em vez de saírem um de cada vez.

Miguel Prata Roque foi adjunto do ministro dos Assuntos Parlamentares entre 2005 e 2007, no primeiro governo de José Sócrates, tendo sido também advogado do antigo primeiro-ministro na providência cautelar que moveu contra o grupo Cofina a propósito da publicação de notícias sobre a Operação Marquês.

Marques Mendes. “Mais alguns” secretários de Estado vão sair do Governo

Doutorado em Ciências Jurídico-Políticas e professor na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, foi também assessor do gabinete de juízes do Tribunal Constitucional até 2014. Antes de regressar ao Governo, em 2015, coordenava o Observatório Permanente da Administração Pública.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recorde-se que, este domingo, o primeiro-ministro aceitou o pedido de exoneração apresentado por três secretário de Estado: Rocha Andrade (Assuntos Fiscais), João Vasconcelos (Indústria) e Jorge Costa Oliveira (Internacionalização), constituídos arguidos por terem aceitado convites da Galp para ver jogos do Euro 2016. Está em curso uma mini-remodelação que deverá levar à mudança de mais secretários de Estado.