G20

Trump e Putin não combinaram criar unidade de cibersegurança

Os presidentes da Rússia e dos Estados Unidos não combinaram criar uma unidade conjunta sobre cibersegurança na reunião que mantiveram à margem da Cimeira do G20.

Após a reunião bilateral que manteve com Putin na sexta-feira, à margem da Cimeira do G20 em Hamburgo, Donald Trump afirmou que "está na altura de avançar e trabalhar construtivamente com a Rússia"

MICHAEL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL / POOL/EPA

Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e dos Estados Unidos, Donald Trump, não combinaram criar uma unidade conjunta sobre cibersegurança na reunião que mantiveram à margem da Cimeira do G20, declarou esta segunda-feira o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Ninguém prometeu nada, apenas foi constatada a disposição para trabalhar nesse sentido”, disse Peskov.

Esta declaração surge depois de alguma incerteza em torno do que foi combinado pelos dois presidentes em matéria de cibersegurança.

Trump disse inicialmente ter discutido com Putin a criação de “uma unidade impenetrável de segurança cibernética”, mas, horas depois, afirmou que a cooperação russo-norte-americana em cibersegurança não é possível.

As suspeitas de interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016, sob investigação pelo FBI e pelo Senado, baseiam-se precisamente em indícios da entrada de ‘hackers’ (piratas informáticos) russos nos computadores do Partido Democrata. Por essa razão, o ‘tweet’ de Donald Trump anunciando a disposição para criar, com a Rússia, uma “unidade de cibersegurança”, foi recebido com críticas nos Estados Unidos.

“Não é a ideia mais estúpida que já ouvi, mas anda lá perto“, comentou o senador republicano Lindsey Graham, da Carolina do Sul, no programa “Meet the Press” da televisão NBC.

O congressista democrata Adam Schiff, da Califórnia, disse ao programa “State of the Union” da CNN que seria “perigosamente ingénuo” esperar que a Rússia seja um parceiro credível em qualquer iniciativa de cibersegurança.

O presidente norte-americano voltou a twittar sobre o assunto, no domingo à noite, tendo escrito que só por ter abordado a ideia com Putin “não quer dizer que possa acontecer”. “Não pode”, escreveu.

Outro senador republicano, Marc Rubio, da Florida, escreveu no Twitter que associar-se a Putin numa “unidade de cibersegurança” equivale a associar-se ao presidente sírio, Bashar al-Assad, numa “unidade de armas químicas”.

A ideia foi defendida pela embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, que assegurou que trabalhar com a Rússia “não significa confiar na Rússia”.

Nós não confiamos na Rússia e nunca vamos confiar. Mas devemos manter perto de nós aqueles em quem não confiamos, para podermos sempre estar a par do que fazem”, disse a embaixadora ao programa “State of the Union”, da CNN, citada pela agência Associated Press.

Após a reunião bilateral que manteve com Putin na sexta-feira, à margem da Cimeira do G20 em Hamburgo, Donald Trump afirmou que “está na altura de avançar e trabalhar construtivamente com a Rússia”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)