Rádio Observador

Aborto

Suécia corta financiamento a ONG que acatem medida de Trump contra aborto

As ONG que deixem de dar ajuda e aconselhamento sobre aborto e contraceção, como sugeriu o presidente Donald Trump, não serão financiadas pela Suécia.

OLIVIER DOULIERY / POOL/EPA

A Suécia ameaçou, esta terça-feira, cortar o financiamento às organizações que deixarem de prestar ajuda e aconselhamento sobre aborto e meios de contraceção por receio de perderem o financiamento dos Estados Unidos após um decreto do Presidente Donald Trump.

Três dias depois de ter tomado posse, em janeiro passado, Trump reintroduziu nos Estados Unidos a proibição de financiamento público de organizações não-governamentais (ONG) internacionais que realizam abortos ou dão informação sobre o processo de interrupção voluntária da gravidez.

Os acordos podem ser denunciados e a ajuda financeira cancelada“, advertiu a Agência Sueca de Cooperação Internacional e Desenvolvimento (Sida, na sigla em inglês).

O apoio da agência à defesa dos direitos a uma saúde sexual e reprodutiva não sofreu qualquer alteração”, declarou a diretora-geral do organismo estatal, Carin Jamtin, antiga ministra social-democrata para a pasta da Cooperação.

E salientou: “À escala mundial, os abortos clandestinos representam cerca de 13% da mortalidade materna, e nos países pobres esse número é muito maior”.

A decisão da administração Trump representou um duro golpe para as organizações não-governamentais que prestam serviços nesta área. Segundo dados estimados pelas autoridades holandesas, a falta de verbas destas organizações ronda os 600 milhões de euros.

No ano corrente, a agência sueca decidiu atribuir 17,6 milhões de euros suplementares para apoiar as organizações afetadas pela medida norte-americana.

De acordo com a agência estatal, a Suécia gasta anualmente cerca de 7% da sua ajuda para o desenvolvimento em questões relacionadas com a sexualidade.

A Suécia é um país muito avançado no que diz respeito à igualdade de géneros. A educação sexual nas escolas existe desde a década de 1950 e a promoção dos direitos relacionados com a saúde sexual e reprodutiva, incluindo o direito ao aborto, goza de um amplo apoio” no seio da opinião pública, concluiu o organismo estatal sueco.

Trump assinou o diploma contra o aborto um dia após o aniversário, a 22 de janeiro, da decisão de 1973 do Supremo Tribunal Roe vs. Wade, que legalizou o aborto nos Estados Unidos.

A ordem executiva de Trump também proíbe o financiamento, com o dinheiro dos contribuintes, de grupos de pressão que pretendem legalizar o aborto ou promovê-lo como método de planeamento familiar.

Esta disposição legal sobre o aborto tem estado no centro de uma espécie de ‘ping-pong’ político nos Estados Unidos durante as últimas três décadas, tendo sido imposta pelos governos republicanos e revogada pelos democratas desde 1984.

Mais recentemente, foi o antecessor de Trump, Barack Obama, quem pôs fim à proibição em 2009.

De acordo com as estimativas da associação Marie Stopes International, a proibição de financiamento nos Estados Unidos irá resultar no aparecimento de cerca de 6,5 milhões de gravidezes indesejadas e 2,2 milhões de abortos sem condições.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Papa Francisco

‘Yes to life!’ /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
715

A suposição de que o feto é uma parte do corpo da mulher é, em termos científicos, um absurdo. O nascituro precisa de ser amado e cuidado e é, sempre, bem-vindo!

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)