Londres

Theresa May suspende deputada por declarações racistas e põe em causa a maioria

140

Uma deputada do Partido Conservador foi suspensa depois de ter proferido declarações consideradas racistas. Theresa May diz que os comentários são "inaceitáveis".

Anne Marie Morris é deputada por Newton Abbott, em Devon, desde 2010

WILL OLIVER/EPA

A primeira-ministra Theresa May suspendeu uma deputada do Partido Conservador depois de ter feito declarações consideradas racistas. Anne Marie Morris discutia a forma como os serviços financeiros do país seriam afetados com a saída do Reino Unido da União Europeia, numa reunião com eurocéticos. A dada altura, usou a expressão “nigger in the woodpile“.

Depois de dizer que apenas 7% dos serviços financeiros do Reino Unido seriam afetados pelo Brexit, afirmou: “Tenho a certeza de que haverá muitas pessoas que a questionar isto, mas peço que olhem para o detalhe, isto não são só desgraças e tristezas”. Depois disso, afirmou que o verdadeiro “nigger in the woodpile” era saber o que aconteceria se as negociações do Brexit não acabassem com um acordo.

A expressão “nigger in the woodpile“, originalmente usada no século XIX, referia-se a escravos do Sul dos Estados Unidos que tinham de se esconder enquanto procuravam fugir para o Norte para alcançarem a liberdade. É utilizada como uma metáfora para descrever um facto oculto ou um problema.

A deputada conservadora reagiu e já disse que as declarações foram “totalmente não intencionadas”.

Peço desculpa por qualquer ofensa que possa ter causado”, disse Anne Marie Morris.

A primeira-ministra Theresa May considerou que deve “ser sempre assegurada a linguagem mais apropriada em todos os momentos”.

Fiquei chocada ao ouvir esses comentários, que são completamente inaceitáveis. Pedi imediatamente a suspensão da deputada. Linguagem como esta não tem absolutamente lugar na política nem na sociedade de hoje em dia”, disse May.

Os comentários vieram na sequência do lançamento de um relatório para o futuro do setor financeiro do Reino Unido depois do Brexit e foram revelados pelo Huffington Post. As declarações levaram ainda à condenação da deputada por parte de vários outros parlamentares, tanto do mesmo partido, como da oposição. A condenação foi geral e os membros pressionaram May para que condenasse a situação com medidas severas.

Heidi Allen, deputada conservadora, disse no seu Twitter que receava “que uma desculpa não seja suficiente”. “Temos de mostrar tolerância zero ao racismo. Os membros do parlamento têm de dar o exemplo”, disse,

Chuka Umunna, do Partido Trabalhista, diz-se “sem palavras” para aquilo que ouviu da deputada. Tulip Siddiq, também do Labour, incitou May a tomar uma “ação apropriada”.

Anne Marie Morris é deputada por Newton Abbott, em Devon, desde 2010. Esta suspensão vai afetar a fraca maioria conservadora na Câmara dos Comuns, reduzindo-a para apenas 12 deputados, mesmo com o apoio do Partido Unionista Democrático.

Em 2008, aconteceu um episódio semelhante, com um porta-voz do Partido Conservador. Na altura, o deputado pediu desculpa por ter usado o mesmo termo numa frase na Câmara dos Lordes e não foi demitido.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)