O estado de conservação e manutenção da frota da empresa de transportes públicos Resende apresenta “dados preocupantes“. Esta é uma das conclusões do relatório da avaliação feita pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes à Resende, pedida pela Câmara de Matosinhos, na sequência de um embate contra uma paragem, do qual resultou uma vítima mortal. Os utentes da Resende têm várias queixas. Ainda esta quarta-feira um autocarro se incendiou.

De acordo com um comunicado da Câmara de Matosinhos, o mesmo relatório dá nota de “um aumento do número de sinistros envolvendo viaturas da empresa durante o ano de 2016, sendo este acréscimo passível de suscitar a apreensão das autoridades e dos utentes“.

Os responsáveis da autarquia e da Área Metropolitana do Porto estiveram reunidos esta quarta-feira para avaliar a execução do acordo tripartido estabelecido em junho de 2016 com a operadora de transportes públicos Resende, uma empresa privada que opera em quatro concelhos do Distrito do Porto: Matosinhos, Valongo, Porto e Maia.

O relatório foi pedido por Matosinhos após um acidente no dia 6 de outubro de 2016, em que um autocarro da Resende abalroou uma paragem onde aguardavam vários passageiros, junto ao Mercado de Matosinhos. Uma pessoa morreu.

Matosinhos. Autocarro abalroa paragem e mata uma pessoa

Na altura, vários utentes presentes no local se queixaram da empresa de transportes, nomeadamente pelo mau estado em que se encontram os autocarros. Havia relatos de viaturas que já se incendiaram em marcha. Esta quarta-feira, de acordo com os bombeiros de Valongo, mais um autocarro da Resende se incendiou no concelho, sem vítimas a registar.

Face aos dados resultantes da avaliação feita pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, a Câmara Municipal de Matosinhos e a Área Metropolitana do Porto marcaram a Resende para “uma reunião urgente, a ter lugar na próxima semana”.

Caso a empresa “não apresente garantias de cumprimento imediato das recomendações feitas pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes, o presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, Eduardo Pinheiro, poderá propor na próxima reunião do Conselho Metropolitano, marcada para 28 de julho, a abertura imediata de um concurso público para a concessão dos transportes públicos em Matosinhos”.

Avelino Oliveira, responsável pela área da mobilidade da Área Metropolitana do Porto (AMP), revê-se nas palavras da autarquia e considera imperativo discutir aspetos, para evitar que o serviço da empresa “seja visto pela população como uma matéria de insegurança”, diz ao Observador. Entretanto, o autarca de Valongo também já pediu esclarecimentos à AMP.

Toda a rede de autocarros terá de se sujeitar a concurso público até dezembro de 2019, de acordo com a diretiva 1370 da União Europeia. Caso sinta que a Resende não tem condições para executar o transporte — 60% da atividade da Resende passa por Matosinhos –, Eduardo Pinheiro pode antecipar o concurso no concelho a que preside.

O Observador tentou falar com os responsáveis da empresa, sem sucesso até ao momento.