FBI

Futuro chefe do FBI garante independência face a Trump e nega “caça às bruxas”

Christopher Wray contrariou as acusações de Trump à investigação sobre a alegada ingerência russa nas presidenciais, salientando que presta lealdade à Constituição e não ao Presidente.

"Nunca irei deixar que o trabalho do FBI seja influenciado por nada além dos factos, a lei e a procura de uma justiça imparcial", disse Wray

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O responsável indicado para ser o futuro diretor do FBI, Christopher Wray, contrariou esta quarta-feira as acusações de Donald Trump à investigação sobre a alegada ingerência russa nas presidenciais americanas, salientando que presta lealdade à Constituição e não ao Presidente.

“A minha lealdade é para com a Constituição e o Estado de Direito e continuarei a responder perante eles, não importa o caso”, declarou Christopher Wray, o nome escolhido pelo Presidente Donald Trump para chefiar a polícia federal americana (FBI), ouvido esta quarta-feira numa audiência de confirmação no Senado (câmara alta do Congresso norte-americano).

Quando questionado sobre a investigação sobre a alegada ingerência russa nas presidenciais americanas de novembro de 2016 atualmente liderada pelo procurador especial Robert Mueller (ex-diretor FBI), Christopher Wray afastou-se das acusações de Trump que qualifica todo o processo como uma “caça às bruxas”.

“Não penso que o diretor Mueller esteja envolvido numa caça às bruxas”, disse Wray.

Em diversas ocasiões na rede social de mensagens online Twitter, Trump qualificou a investigação conduzida por Mueller como uma “caça às bruxas” que é feita tendo como base a “falsa” premissa de um conluio entre a Rússia e elementos da sua campanha presidencial.

A audiência de Wray, de 50 anos, acontece numa altura em que as suspeitas sobre uma eventual ingerência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro último estão reforçadas após a revelação de informações sobre uma reunião, em junho de 2016, entre o filho mais velho de Trump e uma advogada que lhe foi apresentada como uma emissária de Moscovo.

E acontece dois meses depois do Presidente norte-americano ter demitido de forma repentina o anterior diretor da polícia federal James Comey, numa altura em que este responsável estava a supervisionar uma investigação sobre os alegados contactos mantidos entre a campanha de Trump e a Rússia durante a corrida às presidenciais nos Estados Unidos.

Uma das várias revelações feitas por James Comey foi que, durante um jantar na Casa Branca, o Presidente pediu-lhe lealdade.

“Nunca irei deixar que o trabalho do FBI seja influenciado por nada além dos factos, a lei e a procura de uma justiça imparcial. Ponto final”, prometeu hoje Christopher Wray, numa declaração inicial na audiência de confirmação.

“Comprometo-me a ser o líder que o FBI merece e a liderar uma agência independente, um motivo de orgulho para todos os americanos”, acrescentou o veterano da Justiça americana, pouco conhecido da opinião pública, que assumiu funções no Departamento de Justiça durante a administração de George W. Bush.

Caso seja confirmado pelo Senado, Christopher Wray terá a difícil tarefa de tranquilizar os mais de 30.000 funcionários do FBI, muito ciosos da sua independência, mas também de recuperar a confiança da opinião pública americana, que teme que a instituição esteja sob influência da Casa Branca.

O nome de Christopher Wray foi divulgado por Trump no passado dia 7 de junho.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)