Olá

833kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Uma nova forma de ver a Amazónia sem sair de casa

Este artigo tem mais de 5 anos

Apesar de distante em quilómetros, a Amazónia está agora mais perto através da plataforma Voyager, do Google Earth. Aventure-se e descubra as histórias que esta floresta tem para contar.

A Amazónia, situada na América do Sul, é responsável por 20% da produção de oxigénio do planeta e é o habitat natural de uma em cada dez espécies de todo o mundo
i

A Amazónia, situada na América do Sul, é responsável por 20% da produção de oxigénio do planeta e é o habitat natural de uma em cada dez espécies de todo o mundo

A Amazónia, situada na América do Sul, é responsável por 20% da produção de oxigénio do planeta e é o habitat natural de uma em cada dez espécies de todo o mundo

A Amazónia tem um importância fundamental para o planeta, através do ar que respiramos, da água que bebemos ou dos ingredientes que fazem parte dos medicamentos que usamos. Agora, é possível explorar esta ligação à grande floresta americana através da Voyager, uma plataforma do Google Earth.

São 11 histórias interativas que remetem para diferentes partes da floresta amazónica e são contadas pelos povos que lá vivem. Fernando Meirelles, produtor de cinema brasileiro, produziu os vídeos.

Através dos vídeos, do mapeamento, do áudio e da realidade virtual 360º, disponíveis em web e mobile, as histórias cobrem uma diversidade de problemáticas que a Amazónia enfrenta.

I am Amazon, no Google Earth

O Instituto Socioambiental brasileiro fez uma parceria com o Voyager para que fosse disponibilizado um atlas das terras indígenas no Brasil e das pessoas que lá vivem. As histórias interativas, contadas nos vídeos pelas próprias comunidades, completam estes mapas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Povos como os Tembé e os Paiter Suruí, que utilizam tecnologias de monitorização para protegerem os territórios de invasões ilegais e da desflorestação, contam as suas histórias no Voyager. Assim como, os Yawanawá, uma tribo que vive sob a liderança de mulheres.

Almir, líder do povo indígena Paiter Suruí, descobriu as funcionalidades do Google Earth e viu na plataforma uma forma de proteger o património e tradições daquela tribo. Assim, fez uma proposta ao Google, que acabou por dar origem a um mapa on-line dos Suruí, que acabou por se tornar na primeira comunidade indígena a receber fundos para preservar as suas terras.

A tecnologia é um ferramenta importante que nos ajuda a proteger a floresta e a manter vivas as nossas tradições”, disse Ubiratan Suruí, Suruí Indigenous People’s Association.

Depois de Suruí, o projeto abrangeu mais 30 comunidades da Amazónia. Com a adição de territórios brasileiros, existe já um total de 472 territórios registados nestes mapas interativos que começaram a ser trabalhados em 2007.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada