O Banco Europeu de Investimento vai doar 500 mil euros às famílias das vítimas dos incêndios de Pedrógão Grande, em junho passado, no qual morreram 64 pessoas, numa iniciativa que começou de forma espontânea entre os colaboradores do banco e que a instituição complementou.

Na sequência dos incêndios, alguns trabalhadores juntaram-se para tentar recolher fundos para apoiar quem mais precisava. Algumas semanas depois, entre os donativos dos colaboradores e do conselho de administração, e o complemento da instituição liderada por Werner Hoyer, o BEI conseguiu juntar 500 mil euros para apoiar as famílias das vítimas.

“Esta iniciativa é um gesto espontâneo de solidariedade do BEI e esperamos que permita que a nossa ajuda chega onde ela é mais necessária”, disse Kim Kreilgaard, chefe da delegação para Portugal do BEI.

O responsável do banco aproveitou para deixar uma mensagem às famílias: “Gostaríamos de transmitir as nossas mais sinceras condolências a todos os que sofreram perdas humanas neste fogo terrível e gostaríamos de expressar a nossa grande admiração pelos homens e mulheres portuguesas que deram o seu melhor para lutar contra o fogo e proteger outros.

De acordo com fonte oficial do BEI, as instituições que receberão ainda não estão decididas. Isso acontecerá nas próximas semanas, depois de serem consultadas as autoridades portuguesas.

A instituição teve iniciativas semelhantes no passado, em que complementou os donativos dos trabalhadores para apoiar as vítimas em outras tragédias, como foi o caso do sismo registado no centro de Itália em agosto passado, e que provocou a morte de quase 300 pessoas.

O BEI também está a avaliar um projeto para financiar o programa de irrigação, que levaria à expansão e modernização de áreas irrigadas em quatro regiões de Portugal continental.

A instituição diz-se também disponível a discutir o financiamento de mais projetos que contribuam para a prevenção de fogos e para a reflorestação, assim como para a reconstrução e reabilitação das zonas afetadas pelos incêndios.