As tentativas de entradas ilegais nas fronteiras da União Europeia (UE) na primeira metade do ano recuaram 68% para os 116.000 face ao primeiro semestre de 2016, mas subiram em Itália e Espanha, divulgou esta quinta-feira a Frontex.

Segundo um balanço da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex), na rota do Mediterrâneo Central foram detetadas 85.000 tentativas de entrada em Itália entre janeiro e junho (mais 21% do que no semestre homólogo). Só em junho, houve mais de 30.700 pessoas que tentaram chegar a Itália.

Também na rota do Mediterrâneo Oeste, o número de deteções de entradas ilegais subiu, tendo quase triplicado em termos homólogos para mais de 9.000. Esta rota é usada para entrar nos enclaves espanhóis e Ceuta e Melila, bem como para travessia marítimas.

Nas rotas do Mediterrâneo Leste (que leva à Grécia) e dos Balcãs Ocidentais os números recuaram, segundo um comunicado de imprensa da Frontex.