Depois de forçar os utilizadores a instalar uma nova aplicação para continuar a utilizar o chat, a rede social de Zuckerberg vai utilizar essa plataforma para fins publicitários. A decisão foi anunciada na passada terça-feira, numa tentativa de rentabilizar ainda mais o seu serviço de chat, que conta com 1.2 biliões de utilizadores mensais.

A publicidade será exibida no feed inicial da aplicação, onde os utilizadores que clicarem no anúncio terão acesso ao site da empresa ou a uma janela de conversação com a marca. Anteriormente, o Facebook já disponibilizava a possibilidade dos utilizadores falarem com as empresas, ou vice-versa.

Os testes já tinham sido iniciados em janeiro, na Tailândia e na Austrália, e é agora dado um passo crucial para continuar a rentabilizar os utilizadores da rede social Facebook e das suas segregadas, Messenger, WhatsApp e Instagram. Destes quatro, apenas o WhatsApp é a única que não tem anúncios.

Os utilizadores do Messenger poderão ocultar temporariamente os anúncios, mas não os podem interromper na sua totalidade.

A vida online está repleta de plataformas que bloqueiam anúncios, mas o Facebook e o Twitter, ficaram isolados desta tendência, já que recorrem a dados preciosos de utilizadores e segmentam de forma avançada as suas publicidades.