O convite foi feito no passado dia 27 de junho pelo presidente francês Emmanuel Macron. Foi aceite no dia seguinte pelo presidente norte-americano Donald Trump. A visita oficial a Paris ficou marcada: 24 horas divididas entre 13 e 14 de julho. O segundo dia coincidiu com o dia da Tomada da Bastilha, dia nacional de França. Mas não só. O dia marcou um ano desde o atentado terrorista que aconteceu em Nice, no sul de França, que fez 84 vítima mortais e mais de 200 feridos.

O objetivo da visita foi definido quando da aceitação do convite: “Reafirmar as fortes ligações de amizade com a França”, podia ler-se no comunicado emitido pela Casa Branca na altura. Cooperação de França e dos Estados Unidos na luta contra o terrorismo, a conquista de Mossul e o conflito na Síria, uma parceria económica entre os dois países e o Acordo do Clima de Paris foram os temas abordados.

Trump volta a defender filho na polémica do encontro com advogada russa e abre porta a discussões sobre ambiente

Muitas questões a serem debatidas, uma agenda rigorosa e preenchida e poucas horas. O resultado foi uma visita quase relâmpago com vários momentos importantes que não escaparam às objetivas dos fotógrafos. Apertos de mão não faltaram.