MPLA

João Lourenço diz que coabitação com José Eduardo dos Santos é “falso problema”

O cabeça-de-lista do MPLA às eleições gerais angolanas minimizou as dúvidas na coabitação de lideranças entre si e o líder do partido, Eduardo dos Santos, considerando-os como "um falso problema".

A expressão coabitação é apenas utilizada quando se está em presença de líderes de partidos diferentes, o que não é o caso

JOOST DE RAEYMAEKER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O cabeça-de-lista do MPLA às eleições gerais angolanas de 23 de agosto minimizou esta sexta-feira as dúvidas na coabitação de lideranças entre si e o líder do partido, Eduardo dos Santos, considerando-os como “um falso problema”.

João Lourenço, que concedeu esta sexta-feira a sua primeira entrevista coletiva a órgãos de comunicação social angolanos, argumentou que a expressão coabitação é apenas utilizada quando se está em presença de líderes de partidos diferentes, o que não é o caso.

No caso de Angola, não parece que essa expressão seja correta, na medida em que quer o líder do partido quer, em princípio, o futuro Presidente, caso consigamos conquistar os corações dos angolanos, serão ambos do mesmo partido”, referiu.

No poder desde 1979, José Eduardo dos Santos já não concorre a um novo mandato como chefe de Estado nas eleições gerais de agosto, mas mantém-se como presidente do MPLA, partido no poder desde a independência de Angola.

Questionado sobre quais as principais diferenças no estilo de governação entre o atual chefe de Estado e a que pretende implementar, caso seja eleito – por via indireta -, o candidato do MPLA disse que apesar de serem ambos do mesmo partido, haverá sempre diferenças, algumas delas já visíveis em tempo de campanha eleitoral.

Costuma-se dizer que duas cabeças são duas sentenças, embora sejamos ambos da mesma família política, pertençamos ao mesmo partido, mas é verdade que não podemos querer pretender que tenhamos um estilo de governação exatamente igual, haverá diferenças com certeza”, afirmou.

Transferindo a responsabilidade de avaliação para a sociedade, João Lourenço disse que, para os mais avisados, “mesmo neste curto período”, já devem ter notado “que há pequenas diferenças”. “Mas o haver diferenças não é mal nenhum, antes pelo contrário, é bom que haja, há quem veja nisso: bom se há diferenças é porque há desvios, não há desvios, o importante é que não haja desvio dos grandes objetivos do MPLA. Mais bem-estar para as populações, mais liberdades democráticas” são os grandes objetivos do MPLA, que “pode ser conseguido utilizando estilos de governação diferentes”, considerou João Lourenço.

O também vice-presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), lembrou que havia igualmente outra questão levantada por alguns críticos “dentro e fora do partido”, que consideravam que o Presidente José Eduardo dos Santos “está no poder como Presidente da República em funções do Estado há tempo demasiado”.

“Ele vai largar voluntariamente essa responsabilidade de presidente e precisamos de recordar que a Constituição e a lei só estabelece mandatos para funções no aparelho do Estado”, disse, lembrando que a Constituição e outros diplomas legislativos não estabelecem mandatos para funções na direção dos partidos políticos.

Instado a dizer se o MPLA caso vencer as eleições pode vir a alterar a Constituição da República em vigor, de 2010, João Lourenço considerou prematuro avançar se há ou não essa intenção. “O que tenho apenas a dizer é que a Constituição que está em vigor, que não foi imposta, foi aprovada pela Assembleia Nacional, e considero imprudente e prematuro dizermos se temos ou não a intenção de fazer alterações à Constituição”, concluiu.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)